Alunos da Faetec criam aplicativo e vão à final do Startup Rio 2019

Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé

Três alunos da Escola Técnica Estadual de Santa Cruz (Faetec) estão entre os finalistas do edital Startup Rio 2019, da Faperj. O trio desenvolveu um projeto de startup  e já estão no segundo edital para viabilidade.

. Escola Técnica do Rio de Janeiro é a campeã do 1º Desafio TACK

Atualmente, os jovens recebem treinamento, consultorias, aulas de técnicas de gestão e de validação da ideia, e desenvolvendo um plano de negócios. Com o edital Startup Rio 2019, 50 projetos do Rio de Janeiro, dez de Barra Mansa e dez de Petrópolis receberão até R$ 96 mil para a viabilizar suas startups.

O projeto Bike in Box foi desenvolvido pelos jovens Felipe Batista, Gabriela Cetto e Kaio Silva. Nasceu durante o programa JA Startup, da ONG Junior Achievement — maior instituição de educação empreendedora e de inovação do mundo. O que representa grande conquista para alunos de uma escola estadual da Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Alunos da Faetec já recebem mentoria para o ‘Bike in Box’

JA-Faetec-bike-in-box-inoveduc

Os criadores do ‘Bike in Box’ (Foto: Divulgação)

Os alunos tiveram oito encontros semanais com a mentoria de voluntários da Startse e da Gerdau. Nesse período, receberam orientações sobre como criar um projeto de startup. Ao final, 20 alunos desenvolveram seis projetos, apresentados a uma banca que julgou a inovação e viabilidade das propostas.

Após esse desafio, os jovens tiveram apoio das professoras  Luciane Moura e Edna Ribeiro para amadurecer a ideia. O passo seguinte foi inscrevê-lo no desafio ITA Chalenge, chegando até a segunda fase.

Classificado em mais um edital, o aplicativo que gerencia compras e entregas via bicicleta no comércio local, quer conquistar novos espaços. O objetivo de participar desses desafios é, além de apresentar para a comunidade acadêmica e desenvolver cada vez mais o Bike in Box, ter a possibilidade de colocá-lo em prática.

Como funciona a ONG internacional Junior Achievement

Fundada em 1919, nos EUA, a associação está atualmente presente em mais de 120 países. No Brasil, conta com unidades em todos e no Distrito Federal. Sem fins lucrativos, a JA é mantida pela iniciativa privada e tem o objetivo de despertar o espírito empreendedor em alunos do ensino regular.

Estimulamos o desenvolvimento pessoal desses estudantes, sendo 85% deles oriundos da rede pública, facilitando o acesso ao mercado de trabalho e proporcionando uma visão clara do mundo dos negócios”, disse Mariana Carvalho, presidente da JA no Rio de Janeiro.

. Empreendedorismo potencializa conceitos das metodologias ativas

A ONG internacional está no Estado do Rio de janeiro há quase 20 anos. Sua marca é incentivar a educação empreendedora por meio de programas inovadores. Este ano, a Junior Achievement comemora a marca regional de 270 mil jovens atendidos em fase escolar. Tudo graças ao apoio de mais de 11 mil profissionais voluntários e grande suporte de empresas parceiras.

. Crianças de 5 a 16 anos criam suas primeiras startups na SuperGeek

Os programas da JA são baseados no método “aprender fazendo”. Contam com atividades práticas, aplicadas em sala de aula por professores e voluntários capacitados pela ONG. Desde o ano passado, essas ações integram o currículo da rede estadual do Rio de Janeiro.

Pretendemos promover, com a aplicação desses programas, a integração do aluno com a escola. Além de garantir maior apreensão dos conceitos de empreendedorismo, educação financeira e preparação para o mundo do trabalho”, explicou Vivian Barros, coordenadora do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ).

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]