Aprendizagem Criativa é outra grande aposta para o ensino inovador

Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé
aprendizagem-criativa-Arthur-Koestler-inoveduc

Arthur Koestler (Reprodução/Internet)

A criatividade é um tipo de processo de aprendizagem em que o professor e o aluno se encontram no mesmo indivíduo.”

A afirmação é do escritor húngaro Arthur Koestler. Radicado no Reino Unido, entre outros objetos de estudo, Koestler se dedicou a entender a criatividade humana.

Mas a Aprendizagem Criativa da forma que conhecemos hoje em dia é um termo inspirado nas ideias do educador Seymour Papert e endossado por Mitchel Resnick. Define uma abordagem educacional mão na massa que estimula o aprendiz a aproveitar materiais artesanais ou tecnológicos para dar forma e sentido prático à aprendizagem.

Uma maneira lúdica, criativa e eficiente de ensinar, bem como adquirir aprendizado.

. E-book em parceria com MundoMaker ensina a planejar espaço maker

Professor de Pesquisas Educacionais do Laboratório de Inovação do Massachusetts Institute of Technology (MIT) ligado à Fundação LEGO, Resnick trabalha com o desenvolvimento de novas tecnologias e atividades para envolver principalmente crianças em suas experiências criativas.

O laboratório ainda conta com o Learning Creative Learning (LCL), comunidade que conecta pessoas de todo o mundo em torno da Aprendizagem Criativa, reunindo mais de 5 mil participantes espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Como é a Aprendizagem Criativa no Brasil

aprendizagem-criativa-rede-inoveduc No Brasil, o movimento ganha cada vez mais adeptos. Em 2015, por meio de parceria entre o MIT e a Fundação Lemann, foi fundada a Rede Brasileira de Aprendizagem Criativa.

A iniciativa objetiva identificar projetos alinhados com a Aprendizagem Criativa, conectá-los e, a partir das experiências combinadas com o MIT, disseminar boas práticas e buscar soluções para os problemas comuns.

A rede, em atividade há três anos, conta com 16 núcleos regionais no Brasil. Reúne mais de 2 mil educadores, empreendedores, artistas e demais pessoas que se interessam pela causa.

Brasil realiza 1ª Conferência de Aprendizagem Criativa 

Atividades aplicadas em conjunto com a grade curricular ou oficinas criativas desenvolvidas para o contraturno. Há inúmeras maneiras de valer-se da Aprendizagem Criativa nos colégios. E algumas empresas já criaram expertise nesse processo, como a Little Maker.

Localizada em Americana, São Paulo, desenvolveu uma metodologia hands on, lúdica e altamente criativa de aprendizado. Inspirada nas práticas do LCL, oferece um programa maker para escolas, através da aprendizagem criativa.

Dessa forma, os alunos conseguem materializar suas ideias usando arte, robótica e materiais artesanais. O que acaba gerando mais significado e sentido para as matérias obrigatórias da grade curricular dos colégios.

. Professora aposentada da Unicamp funda makerspace em Campinas

A Aprendizagem Criativa visa a uma educação mais mão na massa, colaborativa e criativa. Características que toda escola pode explorar sem, necessariamente, mudar seu modelo de ensino”, disse Diego Thuler, fundador da Little Maker.

. Zoom lança ecossistema de aprendizagem criativa na Bett Educar

Entre os dias 26 e 28 de setembro, em Curitiba (PR), acontecerá a 1ª Conferência Brasileira de Aprendizagem Criativa. Reunirá keynotes que são referência internacional no setor. A entrada será gratuita.

O evento objetiva ser um ponto de encontro de gestores, educadores, empreendedores e pesquisadores interessados nas práticas da aprendizagem criativa em escolas e espaços de educação de todo Brasil.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]