Metodologia Ativa no Ensino Superior: um caso de sucesso com uso de tecnologias

Andrea Ramal
WhatsAppFacebookShare

Artigo-Andra-Ramal-InoveducUm dos maiores desafios do ensino superior é tornar-se mais atraente para os estudantes de hoje – jovens da cibercultura, conectados em múltiplas plataformas. Mas não se trata simplesmente de usar aplicativos digitais nas aulas. O fator crítico de sucesso está no uso das mídias para potencializar o desempenho dos estudantes. E mais: estimulá-los a assumirem progressivamente a gestão da própria aprendizagem.

Foi com essa motivação que desenvolvemos uma parceria entre o GEN Educação – núcleo do GEN | Grupo Editorial Nacional responsável por projetos de inovação didática no ensino superior – e o IME – Instituto Militar de Engenharia. A proposta foi “inverter” a sala de aula, com base nas ideias de Jonathan Bergmann e Aaron Sams, no livro “Sala de Aula Invertida – Uma metodologia ativa de aprendizagem” (LTC, 2016).

Para o projeto-piloto, desenvolvido ao longo de 2016, escolhemos uma disciplina que tivesse poucaatratividade para os estudantes, por seu viés altamente teórico. A matéria selecionada foi “Fenômenos de Transporte”, que estuda a transferência de quantidade de movimento, energia e matéria. Até então, a disciplina era aplicada na didática tradicional. O desempenho acadêmico geral era bom, mas todos sabiam que era possível chegar mais longe a partir de novas formas de aprender e ensinar.

O primeiro passo foi planejar a trilha de aprendizagem dos estudantes e o roteiro de trabalho dos professores. O percurso devia se adaptar às necessidades de cada um, com planos de trabalho específicos. Planejamos o processo com três momentos:

1) Pré-Aula – No GEN-IO, o Ambiente Virtual de Aprendizagem do GEN Educação, o estudante cumpre um roteiro de trabalho com base em videoaulas produzidas pela LTC (editora do GEN especializada em conteúdos da área de Exatas) e leituras de trechos de livros didáticos digitais integrados ao Ambiente.

2) Aula – No encontro presencial, o professor segue as seguintes etapas:

  • Aplica um teste online para verificar os estudos pré-aula;
  • Extrai relatórios que informam, de forma individualizada, as principais lacunas de conhecimentos na turma e que competências já desenvolvidas.
  • Adapta a aula de acordo com o mapeamento realizado, dando atenção específica aos pontos necessários.
  • Coloca estudos de casos concretos e problemas instigantes, para resolver individualmente e em grupos.
  • Desafia os estudantes com problemas que envolvem inclusive experiências práticas no laboratório, para aplicação do aprendido previamente.

3) Pós-Aula – os estudantes realizam exercícios de fixação, desafios, trabalhos colaborativos e leituras complementares.
Como se vê, nesta metodologia o professor se torna, mais do que um expositor, um orientador, um arquiteto cognitivo que desenha os melhores caminhos para os aprendizes. Ele também tem a tarefa de animá-los a continuar aprendendo. O foco sai da apresentação de conteúdos, para a interação entre estudantes e conhecimentos.

Os resultados foram surpreendentes e a turma chegou à média de 9,4. Mas não é só a nota que importa. Vale registrar duas percepções: a de professores e a dos estudantes.

Os professores participantes indicaram: maior assiduidade no estudo, maior desenvolvimento de habilidades pessoais e interpessoais e até mais interesse.

Em pesquisa após o final do semestre letivo, eis a voz dos estudantes:

  • 78% afirmam que a metodologia ativa e a sala de aula invertida são mais interessantes do que as aulas tradicionais;
  • 76% afirmam que os testes online foram um modo de criar mais autodisciplina para assistir periodicamente às videoaulas, mantendo a matéria em dia;
  • 78% afirmam que ter o controle do próprio aprendizado (definindo tempo, ritmo, etc.) melhorou a autoconfiança nos temas da disciplina.

O projeto piloto foi tão entusiasmante que o GEN Educação e a LTC desenvolveram, na sequência, um conjunto de videoaulas – chamadas agora de DigiAulas – voltadas especialmente para a implementação das metodologias ativas em toda e qualquer disciplina do ciclo básico dos cursos de Engenharias. As DigiAulas vêm sendo incorporadas em diversas universidades do país, com resultados promissores.

Andrea Ramal

Andrea Ramal

Diretora do GEN | Educação e consultora de educação da TV Globo.

Ver todas as postagens publicadas por Andrea Ramal