Os professores e a tecnologia na sala de aula

João Alegria
WhatsAppFacebookShare

Foram recém divulgados os dados da pesquisa O que pensam os professores brasileiros sobre a tecnologia digital em sala de aula, iniciativa do movimento Todos Pela Educação em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Instituto Natura, Itaú BBA, Fundação Telefônica Vivo e Samsung.

O estudo, realizado pelo Instituto de Pesquisas DataFolha e pela consultoria Din4mo, ouviu 4 mil professores dos Ensinos Fundamental e Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede pública de todo o Brasil no primeiro semestre de 2017. Como informam os organizadores da pesquisa,

“Os resultados revelam que os docentes estão dispostos a usar tecnologia digital em sala de aula e que, havendo ferramentas relevantes para o desenvolvimento do seu trabalho no ambiente escolar e as condições adequadas a esse uso, há um enorme potencial pedagógico a ser desenvolvido por meio dos recursos tecnológicos.”

O que pensam os professores brasileiros sobre a tecnologia digital em sala de aula?
Pesquisa foi uma iniciativa do Movimento Todos Pela Educação

Professores apoiam uso de tecnologia desde que não aumente carga de trabalho

Mais da metade (55%) dos professores da rede pública brasileira utilizam tecnologia digital regularmente em sala de aula, e 54% deles afirmam que usariam mais esse recurso, desde que isso não implicasse em maior carga de trabalho – um número igual de docentes tem a percepção de que o uso de ferramentas tecnológicas acarreta maior carga de trabalho, e para 45% deles isso aumenta a pressão em suas funções.

Além disso, para a maioria dos professores os aspectos limitadores mais frequente para o uso de recursos tecnológicos são a falta de infraestrutura – como poucos equipamentos (66%) e velocidade insuficiente da internet (64%) – e falta de formação adequada – 62% nunca fizeram cursos gerais de informática ou de tecnologias digitais em Educação.

. Professor 3.0: Onde estão os melhores cursos para lecionar na era digital

De acordo com Olavo Nogueira Filho, gerente de políticas educacionais do movimento Todos Pela Educação, “Por meio da pesquisa, identificamos que, além dos desafios de infraestrutura já conhecidos, há três principais caminhos para o avanço dessa tecnologia em Educação: a ampliação e a melhora da oferta de formação e apoio específico, a apresentação de propostas que ajudem a rotina de trabalho do professor e um melhor entendimento pelos docentes sobre o potencial de impacto pedagógico da tecnologia”.

A pesquisa está disponível através de um hotsite, com todos os dados organizados de maneira simples para a consulta. Vale a pena consultar!

João Alegria

João Alegria

Diretor do Canal Futura e professor do Departamento de Artes e Design da PUC-Rio. Dedica-se a projetos e consultoria em educação, tecnologias contemporâneas e a experiência de ensinar e aprender

Ver todas as postagens publicadas por João Alegria