Seis atividades que influenciam positivamente a aprendizagem

Lars Janér
WhatsAppFacebookShare

Um dos estudos mais abrangentes sobre fatores que influenciam positivamente a aprendizagem foi desenvolvido pelo pesquisador John Hattie, que analisou mais de 50.000 pesquisas envolvendo 80 milhões de estudantes. Publicado originalmente em 2009, o estudo foi atualizado recentemente, e elencou 195 atividades em ordem crescente de influência – e formas práticas de aplicá-las no mundo real. Com os recursos tecnológicos disponíveis atualmente, sua aplicação está cada vez mais ao alcance de todos que trabalham com ensino e aprendizagem – e abaixo estão seis exemplos de atividades de alto impacto que mostram como isso pode acontecer na prática:

Lars Janér analisa estudo do pesquisador John Hattie sobre aprendizagem
Alunos são capazes de prever suas próprias notas, afirma John Hattie

1. Auto-avaliação
Uma das observações de Hattie foi de que alunos são capazes de prever suas próprias notas com razoável precisão. Porém, o ganho maior não decorre da precisão em si mas da criação e superação de suas próprias expectativas. Uma forma simples de colocar isso em prática é utilizando software que permita solicitar a cada aluno que “antecipe” sua própria nota, em diversas tarefas, ao longo do curso. A partir daí inicia-se o trabalho em conjunto para superação de suas próprias previsões.

2. Intervenção Individualizada
Um método simples porém eficaz de ajudar alunos em dificuldade é o de reapresentar o mesmo conteúdo de maneiras diferentes, atendendo aos estilos de aprendizagem de cada um. Antigamente isso significaria refazer o material de toda a classe, mesmo para aqueles que já dominam o assunto. Hoje em dia é possível fazer essa adaptação de forma automática, reapresentando o conteúdo de outra forma para os alunos que mostraram dificuldade com o formato original.

3. Avaliações Intermediárias
São atividades realizadas antes ou durante o processo de ensino, de forma a guiar o instrutor. Na prática, seria uma forma de revisitar constantemente a pergunta “qual o próximo passo?”. Avaliações online permitem que isso aconteça com frequência maior, guiando os educadores na condução dos cursos e constantemente reorientando para que tenham a confiança de que está seguindo de forma correta.

4. Ensinando para Aprender
Trata-se de solicitar que os próprios alunos ajudem a preparar o material que será apresentado e, em seguida, pedir que assumam o papel de professores de seus pares – em grupos. Com os recursos de fóruns, chat, áreas de colaboração e trabalhos em grupo online nas plataformas de aprendizagem, isso pode acontecer de forma simples e rápida, otimizando o tempo de preparação e enriquecendo a interação e a apresentação por parte dos alunos.

5. Aceleração
O conceito mais simples dessa lista: permitir que aqueles que já dominam o conteúdo apresentado possam avançar de forma mais rápida que os demais, aproveitando seu potencial e mantendo o nível de desafio e interesse necessários. Isso pode ser facilmente alcançado com a formatação do conteúdo online em módulos: seguindo um padrão de regras simples, é possível permitir que o aluno avance pelos módulos no seu ritmo e assim acelere sua aprendizagem sem nenhum prejuízo aos demais.

6. Completando Lacunas
Consiste em identificar e atacar os gaps de aprendizagem existentes, através de avaliações que identificam os tópicos que necessitam de reforço ou ênfase. Uma forma de atingir esse objetivo é através das “trilhas” ou “caminhos de aprendizagem”, que são criadas pelos professores e aplicadas de forma automática pelos softwares atuais. Não apenas determinam o conteúdo ideal baseado no resultado atingido na última avaliação, mas ainda permitem que o aluno escolha entre duas ou mais opções de conteúdo.

O mundo da educação raramente vê estudos tão completos e objetivos quanto o realizado por Hattie, e por isso trata-se de uma ótima oportunidade para introduzir novas atividades e conceitos em sala de aula, trazendo impacto positivo para a vida dos alunos. Melhor ainda poder fazer isso utilizando todas ferramentas tecnológicas disponíveis hoje, que cada vez mais devem ser utilizadas para esse fim – e não para distrair ou complicar ainda mais a vida dos educadores.

Lars Janér

Lars Janér

Lars Janér é Diretor para América Latina da Instructure (NYSE:INST), empresa americana desenvolvedora de software para ensino acadêmico e treinamento corporativo. Sua principal plataforma, Canvas, é utilizada por mais de três mil instituições de ensino no mundo, incluindo Harvard, Stanford, Wharton, Yale e Berkeley . Lançado mais recentemente, o software de treinamento corporativo Bridge foi escolhido por empresas como Tesla, Microsoft e Slack. Antes de assumir a posição atual, Lars foi responsável pela operação no Brasil da Kaltura, plataforma de vídeo online líder nos mercados de educação e corporativo. Cursou graduação e mestrado em Administração de Empresas na PUC-Rio.

Ver todas as postagens publicadas por Lars Janér