Para CEO da Beetools, as edtechs serão a ‘bola da vez’ em 2019

beetools-logo-inoveduc-destaque
Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé

No mercado desde junho de 2018, a Beetools fecha 2018 com 13 unidades abertas. Em 2019, o objetivo é abrir mais 35 unidades e atingir um faturamento de R$ 5 milhões. As metas da startup curitibana são ousadas. Nos próximos cinco anos, a empresa pretende chegar a 300 unidades em todo o país.

. Beenoculus lança escola de inglês inovadora chamada Beetools
. Edtech brasileira é reconhecida mundialmente no South Summit

Na avaliação do CEO da edtech criada em junho de 2018, outras áreas já tiveram um crescimento acentuado nos últimos anos. Agora, o mercado olha para as empresas deste setor como uma oportunidade de negócio em ascensão. E também com propósito.

A trajetória da Beetools começou há dez anos. Foi quando Ivatiuk, professor e proprietário de escolas de idiomas, conheceu a startup Beenocolus, pioneira em Extended Reality no Brasil.

Ambos queriam trabalhar a educação de forma diferente, buscando o apoio da tecnologia para incrementar a aprendizagem e manter o interesse das pessoas nas aulas de inglês.

É preciso repensar a educação começando do zero. As edtechs têm esta missão de trazer a educação para o mesmo momento que a sociedade vive”, explicou o CEO.

Um grupo de 35 pessoas trabalha no projeto. Desde consultores nas áreas de neurociência, programação neolinguística até user experience, gestão de processos, entre outros.

Beetools busca metodologias inovadoras para edtechs

A inovação da Beetools começa na metodologia. Em vez do modelo tradicional, a escola é um exemplo de smart school. Sua principal característica é ser uma instituição de ensino que utiliza tecnologia para potencializar o aprendizado em sala de aula.

A escola aposta no conceito Flipped Classroom. O professor atua como guia e deixa de ser a única fonte de conhecimento. Assim, o aluno estuda de forma mais participativa e usa todos os recursos disponíveis.

edtechs-beetools-inoveduc

Para isso, utiliza inteligência artificial, big data, gamificação e realidade virtual. Todas essas tecnologias, combinada, permitem que cada aula seja o capítulo de uma série. E que o estudante atue como protagonista.

O aplicativo da Beetools concentra diversas possibilidades. Nele, é possível se matricular em uma unidade, comprar aulas, escolher horário e até cancelar uma aula agendada.

Os exercícios em sala são feitos em iPads. Os trabalhos de casa, diretamente no app da escola. Dessa forma, o professor recebe relatórios de desempenho do aluno e consegue adotar estratégias individuais de aprendizagem.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]