Espaço Bett Startups terá curadoria da Sling Capital nesta edição

bett_inoveduc-startups-destaque
Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé

BETT-EDUCAR-SELOPelo quarto ano consecutivo, a Bett Brasil Educar abre espaço para que as mais inovadoras startups façam contato com o mercado de educação. Inspirado no Bett Show London, o projeto Bett Startups 2018 no Brasil terá apoio e curadoria da Sling Capital — aceleradora horizontal de startups sediada no Rio de Janeiro —, parceira do InovEduc.

As startups participantes apresentarão suas soluções para usuários e formadores de opinião do setor educacional, como mantenedores, pedagogos e docentes. O principal objetivo é aproximar as soluções que estão nascendo dentro das edtechs e o segmento educacional brasileiro, que precisa se modernizar.

“É uma verdadeira vitrine onde as pessoas poderão conhecer novos modelos de negócios e ao mesmo tempo se relacionar com diversos decisores, gestores e instituições educacionais para a consolidação de seus projetos”, disse Vera Cabral, curadora do evento.

Oportunidade de gerar negócios no Bett Startups

Para João Ventura, CEO da Sling Capital, o espaço dedicado às startups é uma excelente oportunidade para fechar negócios, fazer parcerias e contatos com potenciais clientes em um único ambiente.

“Boa parte do grande esforço de um ano inteiro tentando marcar encontros e reuniões pode ser abreviado para os quatro dias do evento. É ali que estarão os gestores educacionais e profissionais que procuram soluções para as dificuldades cotidianas em suas instituições”, disse Ventura, que também é presidente do Gávea Angels, associação de investidores-anjo com sede no Rio de Janeiro.

Cerca de 600 startups estão em diversos estágios de maturidade e consolidação, segundo dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). As oportunidades de negócios no segmento educacional são cada vez mais promissoras.

 

Um reflexo disso é o crescimento do número de edtechs participantes na Bett Brasil Educar. De oito, na edição de 2015, para 16 startups no ano passado.

“Uma das formas de verificar a efetividade do Bett Startups é o fato de diversos expositores que participaram das edições anteriores passaram a ocupar estandes maiores no evento seguinte. Isso sinaliza o crescimento das EdTechs no evento”, disse Cláudia Valério, diretora da Bett Brasil Educar.

Mercado de edtechs se consolida no país

Em recente entrevista para o InovEduc, Cassio Spina, presidente do Anjos do Brasil, ressaltou que o momento é propício para os investimentos no mercado de edtechs, que se consolidou ao longo de 2017.

“Estamos otimistas. Achamos que o setor tem tudo para continuar crescendo, principalmente com a retomada da economia”, disse o especialista.

Spina também reconheceu que as startups são importantes para a transformação no setor educacional do país. “No Brasil, especificamente, temos um problema sério de deficiência no campo educacional. Então nós entendemos que essas soluções podem ajudar a preencher um pouco esse gap educacional”, destacou Spina ao InovEduc.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]