Colégios Mater Dei e Ítalo utilizam Ozobot para ensino de programação

Juliana Favorito
Escrito por Juliana Favorito

Há três anos os Colégios Mater Dei e Ítalo contam com um projeto no qual inclui a programação nas salas de aula. A iniciativa tem como objetivo fazer com que os alunos trabalhem a parte de raciocínio lógico, comunicação, aperfeiçoamento da escrita. Além da transmissão de informações de maneira precisa.

O coordenador de Tecnologia Educacional do colégio e professor do Ítalo, Valter Garoli, explica que o ensino da programação é necessário que tudo seja preciso. Tendo como consequência a melhora na escrita. E ele ainda complementa que a melhora dos alunos em outras disciplinas é uma consequência desse ensino.

Alunos utilizando o Ozobot durante a aula de Matemática (Divulgação)

O professor Valter comenta que no início do projeto, os alunos começavam a ter contato com programação a partir das séries do ensino fundamental II. Porém, atualmente, as crianças começam a aprender a partir da educação infantil.

Ozobot é a ferramenta de ensino usada pelas escolas

As escolas utilizam como recurso de ensino o Ozobot, uma ferramenta composta por mini-robôs, onde, de uma forma lúdica, as crianças aprendem a programar. A ferramenta utiliza uma linguagem de codificação simples, que introduz os conceitos de códigos, raciocínio lógico. Além de programação robótica iniciando o aluno nessa vertente do mundo tecnológico.

O professor explica que existem planos de aulas para turmas desde o educação infantil até o ensino fundamental. “Com vários currículos estruturados com planos de aulas, os professores podem usar o Ozobot como uma ferramenta educacional de ponta. Para ajudar as crianças a aprenderem de forma divertida e intuitiva.”

. Code Club pretende tornar ensino de programação mais acessível

Ele ainda acrescenta que o Ozobot permite que os professores trabalhem tanto a alfabetização quanto a locomoção motora das crianças, além da parte lógica. Valter explica que os mini-robôs seguem as linhas, que são traçadas manualmente com canetas de cor preta.

Valter também comenta que uma das vantagens de utilizar os Ozobots é que eles têm várias características. Sendo uma delas trabalhar com a resolução de problemas. Um exemplo é que nas aulas de Matemática das turmas do 5º ano, os alunos conseguem aprender tabuada com a ferramenta.

“Já trabalhamos com atividades de tabuadas, em que o robô passa por números e desafia os alunos a dar a resposta, que é apresentada, após alguns segundos. Em Ciências, uma atividade desenvolvida foi a simulação do movimento de elétrons. A próxima atividade será sobre sistema nervoso.”

. Escola de robótica tem ensino baseado na experiência dos alunos

Habilidade socioemocionais são desenvolvidas com Ozobot

O professor explica que algumas habilidades socioemocionais são desenvolvidas com o Ozobot. As competências são: a capacidade de resolução de problemas, a criatividade e a inteligência interpessoal. Este último devido as atividades serem realizadas em grupo.

Para Valter, entre as vantagens de utilizar os mini-robôs, está o fato de que, ajudar no desenvolvimento do raciocínio lógico, na comunicação e no planejamento, as crianças acabam aprendendo de forma divertida. “É muito bom ver uma sala de 5º ano aprendendo tabuada, que é algo que a maioria dos alunos não gosta de fazer, e se divertindo.”

E acrescenta ressaltando que as crianças se empenham mais nas atividades que são propostas quando utilizam o robô do que nas tarefas tradicionais impostas pelas escolas.

Juliana Favorito

Juliana Favorito

[email protected]