Priscila Cruz: ‘Gameficação educacional é eficaz, mas brincar também é importante’

Aprender brincando EMEI João Theodoro Inoveduc
Letícia Santos
Escrito por Letícia Santos
Priscila Cruz Todos pela Educacao Inoveduc

Priscila Cruz, do Todos pela Educação

Aconteceu nesta quinta, dia 18 de maio, a segunda edição do “Dia de Aprender Brincando“. A iniciativa, promovida pela Cidade Escola Aprendiz com apoio da OMO, tem como objetivo incentivar a prática de atividades ao ar livre durante o período de aula.

Priscila Cruz, presidente executiva do Todos Pela Educação, defendeu a importância do brincar livre e destacou que cada vez mais aumenta a quantidade de atividades atribuídas às crianças.

“Os filhos das famílias de renda menor no Brasil estão sobrecarregadas porque eles têm que cuidar do irmão, ficam muito tempo no transporte escolar; muitas meninas precisam cuidar da casa desde cedo. As crianças de famílias com renda maior têm excesso de atividades; os pais colocam as crianças no inglês, natação, balé, ginástica, robótica, e aí a criança fica sem tempo. Isso tudo acaba tirando algo precioso das crianças, que é brincar”, explicou.

Jogos e brincadeiras contribuem para desenvolver habilidades

Aprender brincando EMEI João Theodoro InoveducPriscila ressaltou também que é importante saber diferenciar uma atividade lúdica de uma com intencionalidade educacional.

“A gameficação é uma estratégia de ensino muito eficaz. As crianças tendem a aprender muito brincando, mas essa não é a brincadeira que vai desenvolver uma série de outras habilidades que são importantes para a vida delas.”

A presidente do Todos pela Educação explicou que permitir que a criança estabeleça suas próprias regras dentro de uma brincadeira contribui para o desenvolvimento de diversas habilidades, entre elas improvisação, imaginação, criatividade e várias outras.

Priscila enfatizou, ainda, que há diversos estudos mostrando que crianças que brincam mais aprendem com mais facilidade, se conhecem melhor, são mais inovadoras e proativas.

Ela finalizou alertando que pais e educadores devem entender e preservar o brincar livre.

“A primeira coisa é entender que brincadeira não é perda de tempo.”

Letícia Santos

Letícia Santos

[email protected]