Kaspersky Lab ensina a proteger sua universidade contra phishing

kaspersky-lab-inoveduc-destaque
Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé

A Kaspersky Lab alerta às universidades a terem cuidado com mensagens falsas que estão circulando na internet. A empresa internacional de cibersegurança atua no mercado há mais de 20 anos. Oferece proteção contra ataques de phishing a mais de 400 milhões de usuários. Mais de  270 mil clientes corporativos utilizam soluções de segurança tecnológica desenvolvidas em seu laboratório ao longo dessas duas décadas.

Os pesquisadores da empresa detectaram e bloquearam diferentes campanhas de phishing utilizando marcas de pelo menos 131 universidades, em 16 países. O objetivo dos golpes é roubar credenciais de funcionários e alunos, com seus endereços IP e dados de localização, para depois ter acesso às informações confidenciais das instituições de ensino.

Foram identificados quase mil ataques de phishing desde setembro de 2017. Na maioria dos casos, a fraude ocorre em uma página falsa que solicita o login e senha do usuário para acessar os sistemas digitais das universidades.

. Sem cibersegurança, instituições de ensino serão alvos fáceis
. Cyber security: instituições devem estabelecer regras de segurança

Os pesquisadores da Kaspersky Lab identificaram 961 mensagens falsas, usando a marca de 131 escolas. Os alvos principais foram universidades de língua inglesa: 83 golpes utilizavam nomes de instituições dos EUA e outros 21 usavam organizações localizadas no Reino Unido.

Brasil é uma das principais vítimas de ataques na América Latina

As estatísticas mostram que instituições educacionais na Ásia, Europa e África também enfrentaram ataques. Em uma averiguação detalhada, a equipe de analistas e pesquisadores da Kaspersky Lab na América Latina identificaram mensagens de phishing em universidades brasileiras e colombianas.

phishing-kasperky-lab-inoveduc

Exemplo de mensagem de phishing mirando universidades do Brasil

A quantidade de mensagens falsas usando nomes de universidades é surpreendente. Isso indica que o tema se tornou uma tendência entre os cibercriminosos. Recomendamos que as instituições brasileiras e latino-americanas fiquem de olho nisso”, disse Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab.

Brasil, México e Colômbia são as principais fontes de ataques de phishing na América Latina. Os internautas brasileiros e mexicanos são também os principais alvos desses ataques na região, conforme ressaltou o especialista.

Kaspersky Lab orienta sobre medidas contra phishing

É obvia a importância de proteger credenciais e senhas dos funcionários de um banco ou de uma indústria. Os dados pessoais de estudantes e funcionários de universidades podem parecer alvos insignificantes para os cibercriminosos.

. Brasil é um dos primeiros no cibercrime e um dos últimos em cibereducação

Mas a verdade é que essas informações podem ser ainda mais valiosas. Podem dar acesso a pesquisas exclusivas sobre diversos assuntos: de economia à física nuclear. Mesmo que as universidades estejam atentas à sua segurança de TI, os criminosos sempre tentam identificar uma maneira de invadir os sistemas. O alvo predileto é o elo mais fraco: os usuários desatentos.

O analista ressaltou a importância de se educar funcionários, professores e estudantes sobre esse tipo de ameaça. “Conhecimento e atenção são as melhores armas contra campanhas de phishing”, destacou Assolini.

A Kaspersky Lab recomenda bom senso. E as seguintes medidas de segurança:

Acesse o relatório completo em Securelist.com.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]