Mind Makers tem meta de chegar a 100 escolas até 2019

Mind Makers apresentou, no estande da Bett, estratégias para desenvolver habilidades tecnológicas nos alunos.
Renato Deccache
Escrito por Renato Deccache

BETT-EDUCAR-SELOVoltada para a oferta de soluções de desenvolvimento de habilidades tecnológicas, a Mind Makers tem planos de dobrar sua presença no país em 2018. A meta, de acordo com o CEO da instituição, João Lacerda, é saltar de 50 para 100 o número de escolas que utilizam a plataforma.

A empresa teve crescimento exponencial de suas atividades. Criada em 2016, após um ano dedicado a planejamento, a Mind Makers tinha quatro unidades da fase inicial. Ao longo de 2017 e dos primeiros meses de 2018, esse número saltou para 50.

. Maker robotics apresenta soluções para uso da robótica em escolas

Essa expansão acelerada da empresa mostra, de acordo com João Lacerda, que este é um dos segmentos mais fortes e promissores do mercado educacional. “A proposta de desenvolvimento de habilidades tecnológicas segue uma tendência mundial. O pensamento computacional é disciplina obrigatória em mais de 40 países”, ressalta João Lacerda.

Mind makers busca tornar alunos desenvolvedores

Para uma escola se tornar parceira e adotar as soluções do Mind Makers precisa, de início, investir em torno de R$35 mil para a montagem do espaço maker. Além disso, há um custo mensal de R$29 por alunos e por mês.

“Oferecemos às escolas parceiras treinamento e capacitação de instrutores e professores, acompanhamento do uso das soluções, além de equipamentos tecnológicos para uso em sala de aula, em regime de comodato”, explica João Lacerda.

A proposta da Mind Makers é tornar o aluno protagonista no processo de aprendizagem. Para isso, a metodologia adotada buscar torná-los desenvolvedores de tecnologias. Essa é uma das tendências mais fortes do mercado educacional, segundo João Lacerda.

. Microsoft: realidade mista, AI e computação quântica são futuro da aprendizagem

“Cada vez mais veremos escolas no caminho de levar projetos curriculares de tecnologia para dentro da escola. Existem muitos projetos extracurriculares mas o principal problema deles é que só os alunos que se inscrevem são beneficiados. Quando faz parte do currículo da escola, impacta a todos os estudantes”, destaca o CEO da Mind Makers.

Renato Deccache

Renato Deccache

[email protected]