Diante de novas oportunidades, não tenha medo de inovar na educação

DTCOM-artigo-Norton-Medo-de-Inovar-inoveduc-destaque
Norton Moreira
Escrito por Norton Moreira

Não é de hoje que assistimos com satisfação ao crescimento do ensino a distância (EAD) e como isso tem favorecido um grande número de estudantes que encontram no modelo o meio ideal para alcançar sua graduação por causa dos benefícios que proporciona — com destaque para a flexibilidade, o custo-benefício e a qualidade do conteúdo oferecido.

Neste cenário, há que se valorizar o papel das instituições de ensino superior (IES), da ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância) e dos próprios fornecedores de soluções que criam os meios para melhorar cada vez mais a qualificação de seus cursos e suas plataformas de EAD e procuram atender com maior precisão aos anseios de seus alunos.

. Medo de inovar: por que professores do século 21 ainda passam por isso?
. O que acontece quando a sala de aula é vista como espaço de inovação

Como profissional atuante no setor de educação e como integrante da cadeia de EAD na gestão de produtos e soluções da DTCOM, acredito que vivemos um momento de grande maturidade e profissionalismo no ensino a distância do Brasil. A partir disso, não tenho dúvidas que muito em breve teremos um salto qualitativo no mercado educacional proporcionado por dois fatores.

Os dois fatores que proporcionam um salto qualitativo no mercado educacional

Primeiro fator

O primeiro fator tem relação direta com a portaria 1.428, assinada em 28 de dezembro de 2018 pelo então presidente Michel Temer, que amplia para 40% a carga horária a distância de cursos presenciais de Ensino Superior. O limite anterior era de 20%.

Como destacamos no blog da DTCOM, na prática, com o que determina a portaria, as faculdades e universidades poderão deixar dois dias de aulas na semana a distância. Atualmente, esse limite é de um dia de aula por semana. A adoção das ferramentas de EAD representa ainda redução de custos e infraestrutura.

Ou seja, as IES habilitadas para aumentar a carga horária terão a oportunidade de rever seus custos e isso poderá impactar também no valor das mensalidades, tornando mais acessível o acesso à graduação.

Além disso, podemos prever também que o uso da tecnologia de EAD fortalecerá o modelo de ensino híbrido, que abre caminho para uma personalização maior da aprendizagem e prioriza a experimentação nos encontros presenciais.

Segundo fator

Já o segundo fator, que na minha opinião influenciará o salto do EAD, é simplesmente o maior investimento em inovação. Não há como ser diferente, ainda mais quando novas oportunidades surgem para o segmento, como o que passa a ocorrer a partir do que indica a portaria dos 40%.

Ao dobrar a carga horária de EAD nos cursos de graduação, a portaria abre a possibilidade real das IES aplicarem conceitos de inovação na educação.

Obviamente, a portaria diz quem pode e como pode dobrar a carga horária e não obriga que as instituições adotem práticas inovadoras. Mas acredito que isso esteja implícito. Afinal, diante do que determina a portaria, para ampliar a carga horária, as IES devem seguir os mesmos requisitos. Isto significa que todas partem do mesmo ponto e, por isso, vão precisar buscar diferenciais.

E que modo melhor de alcançar este objetivo que não seja investindo em inovação?

Eu sei o quanto pode ser difícil para os gestores de IES sair da zona de conforto e perder o medo da inovação. Mas diante de situações positivas para o segmento de EAD, como a que aponta a ampliação da carga horária nos cursos presenciais, é preciso superar qualquer receio de pensar e agir diferente.

É isso o que poderá gerar um diferencial e servir de atrativo para conquistar a atenção de alunos cada vez mais interessados em um processo de aprendizagem cativante e distante de materiais didáticos e dinâmicas maçantes e cansativas.

DTCOM-artigo-Norton-Medo-de-inovar-inoveduc

Como já escrevi, a experiência de aprendizagem está mudando e, ao que parece, é um processo sem volta. Ou melhor, é uma transformação em uma espécie de “eterno loop”, que nunca para e não tem ponto de chegada. E isso, por um lado, abre portas para novas possibilidades, e, por outro, desperta a necessidade da IES também estar em constante atualização na busca do melhor para seus cursos.

Isso inclui o uso de novas tecnologias, o acompanhamento de tendências e o desejo de testar, testar e testar. Sem medo, porque é isso o que ajuda a consolidar o espírito inovador e a certeza de que há sempre algo novo para ser criado e de que haverá sempre um público à espera de algo que impacte positivamente no seu processo de aprendizagem. Para isso, basta não ter medo.

Norton Moreira

Norton Moreira

Especialista em educação a distância e gestão do conhecimento e CEO da DTCOM — uma das maiores produtoras de conteúdo para EAD e Educação Continuada do país