Nave à Vela apresenta proposta de cultura maker nas escolas

Stand-nave-a-vela-Bett-Educar-destaque
Renato Deccache
Escrito por Renato Deccache

BETT-EDUCAR-SELOCriada há quatro anos, a Nave à Vela aposta no uso da cultura maker para dinamizar o ensino nas escolas. A empresa atua em parceria com instituições educacionais, utilizando espaços delas para a criação de laboratórios e fornecendo material didático. Além de treinamentos para professores.

A empresa começou como uma startup e, após ser acelerada pelo Instituto Quintessa, expandiu sua atuação. Hoje, tem parceria com o Colégio Porto Seguro e na Escola Santa Cruz, em São Paulo; com a Rede Eleva, no Rio de Janeiro; e está em expansão para os estados do Rio Grande do Sul e Bahia.

. Agenda de palestras e workshops gratuitos na Bett Educar

A Nave à Vela se sustenta com os recursos provenientes das parcerias com escolas. Para cada estudante que tem acesso ao material didático ou às atividades dos laboratórios, as escolas cobram, em média, de R$300 a R$400. As atividades da empresa alcançam cerca de 8 mil estudantes, o que representa um movimento de capital entre R$2,4 milhões a R$3,2 milhões. A empresa não informou quanto desse montante representa seu faturamento.

Nave à Vela monta dois tipos de laboratórios em escolas

Segundo Lucas Torres, CEO da Nave à Vela, a empresa tem dobrado seu faturamento a cada ano. De a acordo com ele, o principal objetivo é contribuir para as escolas agregarem valor à proposta pedagógica por meio de metodologias ativas e desenvolvimento das competências do século XXI.

. Mais detalhes sobre a programação do Espaço Bett Startups  

“Procuramos sugerir programas curriculares de atividades dentro de um laboratório maker, com o objetivo de facilitar o aprendizado”, salienta Lucas Torres.

São montados dois tipos de laboratórios. No formato básico, são usadas ferramentas manuais, além de dispositivos eletrônicos e recursos para programação. Os mais sofisticados contam também com impressora 3D e cortadora a laser. As parcerias duram pelo menos, quatro ou cinco anos, para que haja tempo de realizar um trabalho mais consistente para promover uma mudança na cultura das instituições de ensino.

Stand-nave-a-vela-Bett-Educar-01

Stand Nave à Vela apresenta formas de trabalhar cultura maker no currículo

“Queremos ajudar a tornar o processo de aprendizado mais interessante e capaz de gerar engajamento e aprendizagem significativa”, completa o CEO da Nave à Vela, que tem duas diretrizes principais no horizonte de curto e médio prazo. “Nossos objetivos hoje são aumentar nossa base de alunos e investir na qualidade do trabalho realizado com as escolas”, completa.

Renato Deccache

Renato Deccache

[email protected]