Aplicativo usa realidade virtual para facilitar interdisciplinaridade

WhatsAppFacebookShare
Liana-Brazil-SuperUber
Liana Brazil, fundadora da SuiperUber, defende a interdisciplinaridade

Incluir atividades que trabalhem a interdisciplinaridade nas metodologias de ensino ainda é um desafio para muitos educadores. Para Liana Brazil, fundadora e diretora de criação da SuperUber – empresa de criação de projetos inovadores que misturam arte, tecnologia e arquitetura e design – um poderoso aliado neste processo pode estar ao alcance das mãos: os smartphones.

Caminhando nesta direção, a SuperUber está desenvolvendo o aplicativo SuperViz, que será lançado em setembro deste ano. O app propõe que participantes de diversas localidades se encontrem em um ambiente de realidade virtual (VR) para troca de conhecimento.

Neste ambiente, um professor que “lidera” a sessão pode trabalhar dentro de um conteúdo, temas relacionados a diferentes disciplinas. Para isso, Liana acredita que os professores precisam começar a pensar juntos quais conteúdos podem trabalhar e qual a melhor forma de viabilizar isso.

“Se for uma aula sobre geometria espacial, o professor pode explicar também conceitos de história, astronomia, filosofia. Mas não é o professor de matemática quem vai criar esse conteúdo com outras disciplinas, todos vão se unir para fazer um currículo múltiplo, onde as coisas estão integradas e você ensina mais de uma disciplina e mais de um conceito ao mesmo tempo”, explica Liana.

A fundadora da SuperUber apresentou o aplicativo durante o painel Narrativas no HackPUC, o Festival de Cultura Digital da PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), no último dia 22. O evento segue com atividades nos dias 28, 29 e 30 de julho.

Benefícios da interdisciplinaridade

Liana Brazil apresenta aplicativo durante a HackPuc, no Rio
Liana Brazil apresenta o aplicativo SuperViz durante a HackPuc, no Rio

Em entrevista à InovEduc, Liana destacou ainda que o modelo de ensino adotado pela maioria das escolas precisa se atualizar.”Nosso sistema de educação está muito antigo e precisa se renovar para se adaptar ao que temos disponível hoje”, enfatizou.

“O fato de podermos usar um smartphone com tantos recursos é incrível. Você consegue  ligar as disciplinas de uma forma muito menos hermética, mais original e consegue fazer associações livres entre elas”, completou Liana.

Liana ressaltou que trabalhar os conteúdos de forma interativa e interdisciplinar pode impactar positivamente a formação dos alunos. E os benefícios vão além do aspecto técnico. Segundo ela, esse modelo de ensinar ajuda os estudantes a enxergar novas perspectivas diante de diferentes problemáticas. “Os alunos podem chegar a conclusões novas, que eles não chegariam se não estivessem sendo expostos  a uma interdisciplinaridade.”

Esse pensamento faz parte de uma teoria chamada “Pensamento Complexo“. Liana explica que basicamente essa teoria quer dizer que tudo está conectado. “Se tudo está conectado porque a gente aprende só matemática, só história, só biologia e não um conceito que tem múltiplas disciplinas nele?”, questiona.

 

Letícia Santos

Letícia Santos

leticia.santos@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Letícia Santos