7 mudanças estratégicas para melhorias no ensino híbrido

WhatsAppFacebookShare

BLENDED-LEARNING-INOVEDUCNa Blended and Personalized Learning Conference (BPLC) deste ano, o Highlander Institute, The Learning Accelerator e o Christensen Institute reuniram, em paralelo ao evento principal, mais de 100 líderes educacionais para discutir diretrizes do ensino híbrido e personalizado.

Como implementadores experientes, definiram um rol de sete estratégias para refinar e enriquecer formas inovadoras de praticar o ensino e aprendizagem centrados no aluno. Alguns dos itens são bem provocadores e inclusivos, como o que fala em recriar modelos pedagógicos para expandir relações e tornar os processos mais colaborativos.

Outro destaque dentro dessa diretriz é a necessidade de tornar os alunos protagonistas do processo de ensino-aprendizagem. De acordo com os especialistas, nem toda adoção de modelos híbridos de ensino atende necessidades individuais dos alunos.

Ou seja, é preciso ajustar o quesito “personalização” para fornecer opções e voz a cada um dos estudantes.

Também ficou em destaque a necessidade de uma mudança de mentalidade da comunidade acadêmica. Entende-se que, embora a tecnologia seja uma ferramenta essencial para o ensino híbrido, uma pedagogia forte será sempre uma espinha dorsal de um ótimo programa.

Confira os sete ítens destacados pela BPLC 2017

As áreas principais de concentração de esforços têm como base competências aprendidas, redesenhar a escola e dimensionamento de estratégia. O resultado das discussões realizadas na semana passada, foi um relatório destacando sete principais pontos para o setor.

O documento completo pode ser acessados no site do Christensen Institute. Aperte o play e confira os principais pontos que destacamos para você.

 

Para quem se interessou, a conferência BPLC 2018 já tem data marcada. Acontecerá de 5 a 7 de abril, em Providence, nos Estados Unidos. Os registros para admissão já estão abertos no site oficial do evento.