Bett: Casio inova nas tecnologias e na venda de calculadoras

WhatsAppFacebookShare

A história das calculadoras se confunde com a própria trajetória da Casio, que em 1954 lançou o primeiro e ainda rudimentar modelo portátil. De lá para cá, muitos instrumentos do cotidiano sucumbiram, em nome de novidades mais modernas.

Apesar disso, as calculadoras resistiram bravamente. O segredo? Talvez esteja justamente na palavra inovação. “Elas nunca pararam no tempo, essa é a verdade”, explica Leonardo Capuzzi, coordenador de Marketing da empresa.

Como novidades, chegaram ao mercado as calculadoras da família Classwiz, com operações em Português e especialmente desenvolvidas para a América Latina. Elas são plenas de recursos, e vão muito além das operações básicas. Mais requintados ainda são os modelos FX-CG 50 – estes para um público mais específico.

“As calculadoras básicas ainda são muito vendidas. Mas essas são o que chamamos de produtos de nicho de mercado, voltados para alunos e professores de cursos de Engenharia e Exatas em geral. São dispositivos capazes de cálculos complexos, e que podem ser traduzidos em forma de planilhas, gráficos ou imagens em 3D”, conta Capuzzi.

Desde novembro do ano passado, a Casio adotou um programa inovador, que abrange muito mais do que a simples venda das calculadoras. Professores são treinados, por meio de roteiros de aula que exploram ao máximo cada conteúdo e possibilidade de operação das calculadoras científicas. Assim, diferentes assuntos são abordados de forma criativa, interessante e estimulante para alunos e professores.

“A beleza de utilizar a calculadora é instigar a curiosidade e a busca pelo conhecimento. Mais que o resultado, o bacana é perceber como se chegou a ele, e como o mesmo pode ser entregue, exibido, e até mesmo compartilhado, a partir da leitura de QR Code, por exemplo”, defende Jalman Lima, da área de Desenvolvimento de Negócios da Casio.

O último passo de todo esse treinamento é a proposta de venda dessas calculadoras, em condições especiais para instituições de ensino. Desde novembro de 2016, a ação especial da Casio já foi implementada em mais de 100 escolas, em especial na rede pública de São Paulo.

Leonardo Capuzzi e Jalman Lima, da Casio

“Temos obtido ótimas respostas. O interesse é crescente! Os alunos ficam entusiasmados quando passam a entender e praticar a Matemática com aspectos vivenciados no cotidiano, ou seja, para muito além dos números”, complementa Jalman.

Paulo Chico

Paulo Chico

paulochico@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Paulo Chico