Descomplica recebe US$20 milhões de fundo americano

O Descomplica, uma das maiores startups de educação do país, recebeu recentemente um aporte de US$20 milhões em sua quarta rodada de investimentos. A edtech foi criada em 2011 pelo professor de Física Marco Fisbhen, e se consolidou no mercado com a oferta de cursos preparatórios para provas de vestibulares e o Enem.

O fundo de investimentos americano Invus Opportunities liderou a rodada. No total, o Descomplica já arrecadou mais de US$30 milhões em investimentos. O atual valor foi o maior arrecadado por uma edtech brasileira.

. Startup norueguesa recebe aporte de US$17 milhões em rodada de investimentos

Atualmente, o Descomplica recebe, em média, quatro milhões de usuários únicos por mês, e oferece serviços em seis categorias:

  1. Reforço escolar (ensino médio e enceja)
  2. Preparação para o Enem e outros vestibulares
  3. Reforço universitário
  4. Preparação para a prova da OAB
  5. Preparação para concursos
  6. Cursos de pós graduação

Valor do investimento será usado para novas aquisições

O head de Educação do Descomplica, Rafael Cunha, explicou que  um dos objetivos para o valor recebido é ampliar ainda mais o campo de atuação da plataforma pelas outras categorias.

Além disso, os esforços estarão voltados para investimentos no desenvolvimento da plataforma e em recrutamento e seleção de novos profissionais. “O objetivo é garantir que tenhamos em nosso time as pessoas necessárias e fundamentais para fazer a empresa crescer nesse novo ciclo que está iniciando agora.”

Rafael adiantou que serão feitas quatro novas aquisições de empresas voltadas para o setor de tecnologia e educação, em 2018.

“Ao adquirir outras empresas estamos também trazendo a tecnologia, os produtos e as pessoas dessa empresa para promover e melhorar nossa experiência.”

. Espaço Bett startups anuncia detalhes na sua programação

O head de comunicação acredita que o recebimento desse aporte contribuirá para despertar a atenção de outros investidores para o setor.

“Muitas vezes falta confiança dos investidores, principalmente os brasileiros. Os rankings que o Descomplica participou, por exemplo, foram liderados por investidores estrangeiros. Mas, sem dúvida alguma, agora eles abrirão os olhos para esse setor no Brasil, que vai aumentar cada vez mais”, comemorou.