Estratégias de inovação passam a ser adotadas na educação básica

WhatsAppFacebookShare

BETT-EDUCAR-SELOA homologação da Base Nacional Comum Curricular fomentou ainda mais a discussão sobre formas de inserir estratégias de inovação na educação básica. Para Lia Muschellack, diretora de tecnologia na Avenues: The World School, é importante estudar mudanças nas estratégias de ensino, e não pensar apenas na implementação de recursos tecnológicos em sala de aula.

“A tecnologia é uma grande aliada. Um professor em sala de aula com 40 alunos, por exemplo, pode usar recursos tecnológicos para distribuir materiais diferenciados e dividir a turma conforme o nível de conhecimento dos alunos e, assim, oferecer o melhor ensino para cada um”, exemplificou.

Lia destacou que em algumas cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, as iniciativas de inovação são mais perceptíveis, mas alertou que essa não é uma realidade que se estende por todo o país.

Para adequar propostas de inovação ao que determina a BNCC, Lia enfatizou que as escolas devem discutir com seus professores as premissas determinadas no documento e priorizar o que mais está de acordo com sua realidade.

. Especialistas falam sobre o que esperar da implementação da BNCC
. Diretrizes da BNCC norteiam o uso da tecnologia na educação básica

“O governo determina uma base comum, mas existe uma certa liberdade para decidir a forma de desenvolvê-la e a prioridade que se dá para cada um dos aspectos”, explicou.

Na Escola Bosque, processos de inovação melhoraram o engajamento dos alunos

A Escola Bosque será uma das participantes da Bett Educar, evento de inovação, educação e tecnologia que acontecerá entre os dias 8 e 11 de maio, em São Paulo.

A escola é uma das escolas modelo da Microsoft que receberão visitas durante o evento. A ideia é mostrar como as instituições visitadas utilizam tecnologia para engajar os alunos e melhorar seus processos de aprendizagem.

Silvia Scuracchio, diretora pedagógica da escola, destacou que pensar em formas de inovar sempre foi uma preocupação para o colégio. Na instituição, os professores utilizam recursos de robótica, programação e gamificação em sala de aula. Além disso, os conteúdos são compartilhados pela ferramenta OneNote.

Na escola, os alunos são estimulados a contribuir com seus conhecimentos em sala de aula. (Foto: Divulgação)

“Percebemos que o engajamento dos alunos é muito maior ao usar essas ferramentas. Isso proporciona uma troca muito enriquecedora em sala de aula, pois os alunos acabam atuando como colaborador do professor, contribuindo em sala de aula com o que ele tem de conhecimento prévio”, explicou Silvia.

Em Castanhal, gestor educacional investe em metodologias ativas

Mesmo em escolas menores, como o Centro Educacional José de Alencar, localizado em Castanhal, no Pará, as inovações são bem-vindas. Há três anos o professor e gestor educacional Cimélio Pereira investe em um modelo de ensino que estimula sobretudo a criatividade, a autonomia e as habilidades socioemocionais dos alunos.

“Nossa metodologia é impulsionada pela aprendizagem baseada em projetos, tudo para estimular a criatividade dos nossos alunos. Aqui o lema de todos é se divertir, inclusive os professores”, explicou Cimélio.

. Especialistas destacam os impactos da BNCC em escolas particulares

O gestor enfatizou que a principal proposta da escola é preparar as crianças para o mundo. Para isso, os alunos são encorajados a desenvolver sua comunicação. Eles aprendem, também, a lidar melhor com seus sentimentos e emoções por meio de trabalhos artísticos que envolvem música, filosofia, literatura, RPG Educacional, entre outros.

Através de atividades lúdicas, alunos desenvolvem habilidades socioemocionais (Foto: Divulgação)

Paralelamente a essas atividades, os alunos trabalham em um Laboratório de Empreendedores onde as atividades são baseadas em conceitos do Design Thinking. No laboratório, os alunos convidados a transformar a sala de aula em uma prefeitura. Cada integrante da turma assume o papel de prefeito, vice-prefeito, vereador e assim por diante.

As crianças são dividas em equipes que têm a missão de criar soluções sustentáveis para a cidade. Além de pensar nessas soluções, os alunos devem construir esses projetos posteriormente. As atividades realizadas no Laboratório de Empreendedorismo englobam conceitos de todas as disciplinas. Além disso, estimulam o desenvolvimento do pensamento complexo nas crianças.