Estudantes da Paraíba venceram o HackBrazil, realizado pelo MIT, Harvard e FGV

WhatsAppFacebookShare

Dois cases brasileiros foram os vencedores da final da HackBrazil. A competição inédita realizada pelo MIT e pela Harvard em parceria com a FGV Direito Rio atraiu cerca de mil pessoas, e 350 equipes de todo o mundo submeteram suas ideias e projetos.

Os cinco projetos selecionados para a grande final apresentaram seus trabalhos durante a Brazil Conference, no início de abril, em Cambridge, nos Estados Unidos. O objetivo foi unir brasileiros dos mais diversos ramos — sejam hackers, makers, inventores ou designers — em busca de soluções para problemas nacionais.

HackBrazil 2017
Os estudantes do IFPB com sua criação

Os vencedores brasileiros do 4MTI e do Questão de Brio apresentaram a concepção de um Brasil mais produtivo, promovendo não apenas o debate como também a construção de soluções tecnológicas inovadoras para fomentar um futuro mais eficiente, sólido e promissor para o país.

Entre os jurados estavam Gustavo Roxo, atualmente o chefe de Tecnologia do banco de investimento BTG Pactual, e Camila Farani, primeira mulher a conquistar o prêmio de melhor Investidor(a) Anjo do Startup Awards. Ela é presidente do Gávea Angels, um dos principais grupos de investidores-anjo do Brasil.

Grandes personalidades do cenário brasileiro assistiram ao pitch dos finalistas. O objetivo era que as soluções criadas na competição pudessem de fato ser implementadas no governo. Entre os nomes estavam o empresário brasileiro mais rico do país, Jorge Paulo Lemann; a CEO da joalheria Pandora, Rachel Maia; o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso; e o juiz federal Sérgio Moro.

Vencedores apresentaram soluções para problemas nacionais

Questão de Brio – O grupo de estudantes de Engenharia Elétrica do IFPB elaborou uma proposta para desenvolver uma chupeta eletrônica de baixo custo. Por meio de microcontrolador e sensores, seja capaz de verificar a temperatura e umidade corporal da criança. Com o projeto, a equipe foi uma das 20 selecionadas para a fase final da HackBrazil. Os dados coletados pela chupeta seriam transferidos, via conexão sem fio, para dispositivos móveis, como smartphones ou tablets, para informar e alertar se a criança está com alguma enfermidade. Com o monitoramento desses sinais, de forma constante e em tempo real, seria possível contribuir para o acompanhamento da saúde da criança e, numa escala maior, para a redução dos índices de mortalidade infantil.
Link da apresentação.

4MTI – O Diagnóstico Público é uma inovadora e poderosa ferramenta de análise de grandes volumes de dados agregados de diferentes fontes abertas. Eles são organizados para então serem disponibilizados de forma didática e inteligente para consulta e análise. Dessa forma, seu objetivo é auxiliar gestores na administração e tomada de decisões, com foco em prefeituras, câmaras, órgãos de controle, institutos de pesquisa, entre outros. Dados que antes estavam separados e despadronizados agora podem ser correlacionados. Transformamos dados em informação para que se possa construir conhecimento. Por exemplo, é possível acompanhar as contas e indicadores de mais de 2 mil municípios do Brasil.
Link da apresentação.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
debora.thome@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Débora Thomé