Game do Santander Universidades dará 30 bolsas de estudo em Boston

WhatsAppFacebookShare

O Santander Universidades já realiza a segunda edição de sua competição virtual. No primeiro semestre, foram mais de 40 mil participantes de 16 instituições públicas e privadas de sete estados brasileiros. A expectativa é superar esses números na nova disputa.

santander-babson-inoveduc
Os ganhadores do Academicxs Game que aconteceu no primeiro semestre (Foto: divulgação)

O Academicxs Game 2.0 tem como objetivo testar o conhecimento dos participantes de uma maneira divertida. Podem participar alunos de quaisquer curso e universidade do Brasil. Basta baixar o app do Santander Universidades, disponível nas versões IOS e Android.

A disputa pelo intercâmbio será restrita aos universitários clientes do Santander. O participante deve criar um avatar e passar pelas trilhas de atividades sobre conhecimentos gerais, empreendedorismo, idioma, além de pílulas de conhecimento em empreendedorismo.

A cada resposta correta, o estudante fica mais próximo do prêmio: uma bolsa de estudo para o curso de Empreendedorismo na Babson College, em Boston, nos Estados Unidos. O Santander Universidades arca com os custos de translado, hospedagem e alimentação.

Desta vez, 30 estudantes brasileiros ganharão bolsa de estudos

Para esta versão 2.0 dos jogos, 30 estudantes com a maior pontuação serão premiados com a viagem. Os jogos serão realizados até o dia 3 de novembro. Os nomes dos felizardos serão divulgados em 16 de dezembro. O curso em Boston está previsto para acontecer entre os dias 9 e 20 de julho de 2018.

As atividades são liberadas semanalmente, de maneira randômica, em formato de mini-jogos. Quem completar todas as etapas com mais de 70% de aproveitamento recebe um certificado Universia.

Dica de ouro: os participantes acumulam mais pontos ao utilizar os produtos e serviços do Banco. O regulamento completo do Academicxs Game pode ser consultado no próprio aplicativo do Santander Universidades.

Babson College, referência mundial no empreendedorismo

A Babson College é conhecida como “a faculdade dos visionários”. Fundada em 1919 como Instituto Babson, a instituição norte-americana se considera como a primeira a compreender que “pensar e agir de forma empreendedora é mais do que uma tendência natural”.

Babson-campus-Inoveduc
Um dos prédios da Babson College, em Boston (Foto: Reprodução/Internet)

Há 20 anos, a instituição é líder no ensino de empreendedorismo. É globalmente reconhecida por utilizar uma metodologia que une ação, experimentação, criatividade e conhecimentos de negócios para criar valor econômico e social.

Hoje, destaca-se por um curso de graduação que alia administração e negócios com programas típicos das liberal arts colleges — instituições americanas voltadas para a área de humanas. Em resumo, a Babson College é uma referência para quem quer aprender a empreender. Não apenas com o objetivo de gerar lucro, mas ajudar a transformar o mundo.

Santander já levou 20 universitários para a Babson este ano

Para o diretor do Santander Universidades, Ronaldo Rondinelli, a gamificação é uma estratégia eficaz diante do público jovem. “De forma descontraída, conseguimos levar conhecimento e diversão ao mesmo tempo em que temos a oportunidade de mencionar nossas iniciativas não financeiras, como as próprias bolsas de estudo”, disse.

Em 2016, o Santander Universidades distribuiu 3 mil bolsas de estudos para universitários. Até o fim de 2017, o banco Santander deverá oferecer 3.300 bolsas de estudos (nacionais e internacionais). Fruto da primeira edição, 20 alunos já realizaram o curso da Babson College este ano.

Reconhecido pelo ranking Global Fortune 500 como a empresa que mais investe em educação no mundo, o Santander Universidades já
concedeu mais de 140 mil bolsas de estudos em 21 países. Nos seus 20 anos de existência, mantém parceria com cerca de 1,2 mil universidades. No Brasil, são cerca de 400 instituições conveniadas.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
debora.thome@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Débora Thomé