Após internacionalização, Happy Code quer chegar a 200 unidades até fim do ano

Walter Fernandes, diretor comercial da Happy Code.BETT-EDUCAR-SELONo momento em que o ensino de programação e a cultura maker passam a penetrar cada vez mais no ensino básico, uma escola desponta com forte expansão no setor. Criada em 2015, a Happy Code ensina programação e robótica para jovens de 5 a 17 anos. Atuando em um modelo de franquia, a marca já conta com 110 unidades, sendo 97 no Brasil, 11 em Portugal e duas na Espanha. A meta para este ano é quase dobrar este número e chegar a 200 unidades.

“Nosso foco é ainda a expansão interna, no Brasil, onde contamos com 97 unidades. A demanda por Portugal foi orgânica. Procuraram a gente e vendemos uma master franquia e depois acabamos chegando à Espanha também. Pretendemos fechar 2018 com 200 unidades e buscando novos parceiros”, conta Walter Fernandes, diretor comercial da Happy Code.

. Painel da Bett Educar debate como formar educadores no século 21

Walter Fernandes, diretor comercial da Happy Code

Para garantir esta expansão, a rede conta com um suporte para capacitação e treinamento de professores, para facilitar a montagem de um corpo docente na franquia. “Nós temos um portal EAD voltado para franqueados e professores, que da apoio pedagógico e treinamento de professores e também apoio na contratação. O treinamento dos professores é feito no portal Universidade Happy Code”, explica.

Modelo “inschool”

Além das franquias,  Happy Code conta com um modelo que pode ser exportado para escolas. Atualmente a rede já está presente em 70 instituições, atuando em dois diferentes modelos. Buscar mais redes de ensino para atuar neste formato foi justamente um dos objetivos da participação na Bett Educar 2018.

“Todas as nossa unidades tem um modelo formatado para atuar dentro das escolas. É um modelo inschool, em que levamos todo o nosso material didático e nosso professores para dentro das escolas. Criamos também o Happy Code Labs, em que a gente monta todo um laboratório dentro das escolas, o que acaba sedo uma solução mais interessante. O feedback está sendo superpositivo”, destaca o executivo  .