QEdu descomplica acesso a dados sobre Educação no Brasil

WhatsAppFacebookShare

Os dados educacionais são ferramentas poderosas, que podem auxiliar profissionais da área de educação a implementar medidas eficazes para transformação do ambiente escolar. No Brasil, a plataforma QEdu reúne os principais dados públicos do ensino básico. O objetivo é descomplicar o acesso a essas informações.

“A grande importância de utilizar dados é que os diretores de escolas, gestores e até os professores saem de um lugar onde eles vivem, no achismo, e trazem outro nível de profissionalização para o que fazem”, diz Dorly Neto, growth hacker * do QEdu.

A plataforma surgiu em 2012, de uma parceria entre a Fundação Lemann e a empresa Meritt Educacional. Desde o início deste ano, a associação sem fins lucrativos se tornou independente, mas a Fundação Lemann continua sendo sua principal apoiadora.

Equipe do QEdu

QEdu quer ajudar a facilitar o processo de aplicação de provas

São disponibilizados no mercado três produtos: o Portal QEdu, o QEdu Redes e o QEdu Provas. O portal é voltado à divulgação de dados nacionais públicos como Ideb, Enem, Censo Escolar, Prova Brasil, entre outros.

. Big Data em Edtech cria novos questionamentos na educação

O QEdu Redes é focado em traduzir as informações e resultados da Prova Brasil em informações pedagógicas. Já o QEdu Provas é um produto mais novo, no qual a proposta é criar uma solução tecnológica para transformar as avaliações de redes de ensino em um processo mais simples, mais barato e com resultados mais fáceis de serem mensurados.

“Fazer uma avaliação é caro. Exige uma coordenação muito grande para a prova acontecer e a correção também dá muito trabalho. Então o resultado também demora muito para chegar. Queremos usar tecnologia nesse processo, para reduzir o custo, e também fazer com que o resultado chegue em tempo hábil para os professores atuarem pedagogicamente”, explicou Dorly.

. O que você está esperando para usar Big Data na educação?

Para esse novo produto, a plataforma fez uma parceria com quatro municípios paulistas — Taubaté, Caieiras , Itatiba e Barueri. As escolas aplicam as avaliações da rede municipal como já costumam fazer. Só que agora usam tecnologia no processo.

Avaliação realizada em Itatiba com QEdu Provas (Foto: Sônia Rita)

“Eles já estão vendo os benefícios. Estão reduzindo o custo de aplicação, reduzindo a complexidade. Porque aplicar prova no computador é mais fácil, e os resultados chegam mais rápido para os professores atuarem pedagogicamente. Esse é o grande objetivo de utilizar tecnologia nesse processo. A tecnologia vem para isso. Para mostrar aos professores onde está a defasagem para eles poderem corrigir isso a tempo na educação.”

Um terço dos municípios já acessam a plataforma

Segundo Dorly, a plataforma já recebe cerca de sete milhões de visitas por ano, de várias redes de educação. Além disso, um terço dos municípios brasileiros já usam o QEdu Redes. O growth hacker falou, também, sobre os planos futuros.

“Nosso plano para os próximos anos é continuar expandindo o Portal QEdu e o Qedu redes para que eles cheguem em mais municípios e impactem mais pessoas. Nos próximos anos, queremos ficar bem mais próximos das redes também, conversando e entendendo os reais problemas. E no caso específico do QEdu Provas, queremos fazer parceiras com novas redes.”

Por fim, Dorly deixou uma dica para os desenvolvedores em geral: “É comum pessoas que querem gerar impacto social se concentrarem mais na tecnologia do que na solução. Para você criar uma solução é preciso entender o problema e estar próximo às pessoas que entendem desse problema.”

* Growth hacking é um termo usado para definir o marketing orientado a experimentos. O growyh hacker é o profissional responsável por essas estratégias, com objetivo de promover o crescimento da empresa. 

Letícia Santos

Letícia Santos

leticia.santos@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Letícia Santos