No SuperGeeks, a escola de formação dos programadores do futuro

WhatsAppFacebookShare

Marco Giroto é fundador do SuperGeeks, empresa criada há cerca de três anos com a proposta de formar crianças e adolescentes para desenvolvimento de games e aplicativos, programação robótica, realidade aumentada. Enfim, toda área de Ciências da Computação, e tudo aquilo que essa geração gosta e consome. A ideia surgiu quando Marco morava no Vale do Silício, nos Estados Unidos, e começou a assistir ao boom de cursos na área. A entrevista com Marco Giroto, em vídeo, já está disponível aqui no Inoveduc.

“Logo me lembrei que eu mesmo fui uma criança que começou a programar com 12 anos de idade. E me lembrei de como isso foi importante para o meu desenvolvimento, minha carreira. Minha esposa Vanessa era professora, eu da área de tecnologia, e assim juntamos nossos poderes para criar a SuperGeeks aqui no Brasil”, recordou.

Apesar de lúdico, o curso não é uma brincadeira – tem a duração de cerca de seis anos, matriculando crianças desde os cinco anos até adolescentes na cada dos 16. Segundo Marco, a média de idade hoje dos alunos do SuperGeeks está entre dez e 11 anos.

“E veja só que legal: dos que nos procuram e se matriculam, cerca de 80% dos casos partem da iniciativa dos próprios alunos, e não dos pais. Pais e mães até estranham e falam com a gente: ‘essa foi a primeira vez que meu filho pediu pra fazer um curso…’ E digo aqui: esses jovens não querem ficar só brincando, querem produzir coisas de verdade, registrar, comercializar suas criações”, conta Giroto.

Prova desse sucesso são os números. Em apenas três anos de mercado, já são cinco mil alunos matriculados em 40 unidades pelo Brasil, mais 20 lojas para abrir nos próximos meses. E também em parcerias com escolas particulares e redes públicas de ensino. Segundo Marco, o maior desafio é mostrar para os pais a importância de todas as crianças aprenderem Ciência da Computação.

“Não é só ensinar para que eles se tornem programadores ou cientistas. Nem todos os alunos seguirão carreira nessa área, é lógico. Mas a Ciência da Computação ajuda em muitas outras áreas. Desenvolve diversas habilidades, talvez como nenhuma outra área do Conhecimento. Capacita as gerações futuras para tomar as decisões de seu tempo”.

O especialista lembra que praticamente todas as carreiras hoje estão mergulhadas em tecnologia. “Esse conhecimento hoje é ital. E nosso curso desenvolve outros aspectos, como Raciocínio Lógico, resolução de problemas, pensamento sistêmico, uma série de habilidades, além de conhecimentos aprofundados em Física, Matemática. E o grande barato é ensinar por meio da diversão! Se divertindo, eles aprendem mais”, festejou Marco Giroto.

Paulo Chico

Paulo Chico

paulochico@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Paulo Chico