Alunos do Sesi botam a mão na massa no novo espaço maker em Blumenau - Inoveduc

Alunos do Sesi botam a mão na massa no novo espaço maker em Blumenau

WhatsAppFacebookShare

Espaço maker Sesi Blumenau Inoveduc

Construir, experimentar, errar, refazer, acertar, avaliar e apresentar. Parece que estamos falando de um passo a passo para uma receita ou qualquer outra atividade que requer atenção e disciplina.

No entanto, essas ações indicam algumas das funções desempenhadas por crianças e jovens, alunos do Espaço de Educação Maker, do Sesi de Blumenau, Santa Catarina.

As atividades abrangem e incluem conteúdos tratados nas oficinas de Comunicação e Mídias, Tecnologia e Robótica, Matemática e Games e Ciências e Arquitetura. As escolhas são feitas pelos participantes das oficinas, em equipes.

Com o acompanhamento de facilitadores, que recebem capacitação continuada, é feita uma supervisão diária local. O treinamento é dado com grandes nomes nacionais e internacionais da cultura maker.

Para a coordenadora de Educação do Sesi/SC, Maria Tereza Cobra, a realização das atividades maker faz com que os alunos pratiquem a teoria. Dessa forma, adquirem conhecimento, tático ou explícito, como embasamento para as suas ações.

“Há sempre objetivos propostos pelas equipes, disciplina exigida por eles mesmos. É resultado dos trabalhos e muito compromisso com as ações conjuntas.”

Espaço maker atende alunos dos 7 aos 18 anos

O espaço é didaticamente preparado para crianças e jovens de 7 a 18 anos trabalharem na mesma mesa, pensando juntos, sem estranheza nenhuma e sem medo dessa proximidade de idades diversas.

Segundo a coordenadora, isso garante uma mudança de paradigma da educação tradicional para a educação maker. O olhar sobre todo o processo de construção do conhecimento é essencial para a aprendizagem significativa, contextualizada, criativa e inovadora.

Além disso, o fato de crianças e jovens terem sede por fabricar e executar o que estão pensando, ajuda a promover, dentro do Espaço Maker. O pensamento reflexivo, analítico e crítico, fornece ferramentas para que possam obter um raciocínio baseado em processos inovadores.

Há vários recursos físicos utilizados para realizar as atividades. Entre eles, gravadores de som, computadores, impressoras 3D, sensores. E kits LEGO, de Arduino, Atto, drones, furadeira de bancadas, entre outros.

Metodologia da Educação Maker Sesi abrange competências para o século 21

De acordo com Maria Tereza, a proposta metodológica da Educação Maker do Sesi tem como objetivo promover o desenvolvimento das competências do século 21.

Destacam-se resolução de problemas complexos, criatividade, gestão de pessoas, negociação e flexibilidade cognitiva. Todas necessárias, inclusive, ao ingresso de jovens no mercado de trabalho.

“Um dos alicerces de nossa proposta é o compromisso na construção de um estudante preparado para enfrentar as situações do cenário contemporâneo”, ressaltou.

O feedback apresentado pelos participantes das oficinas é motivo de grande satisfação para toda equipe. Esse é o sinal de que escolheram e estão projetando um percurso promissor.

“Os alunos se mostram entusiasmados, ativos, alegres, felizes, praticando atividades desafiadoras, e estão sempre dispostos a produzir cada vez mais e melhor”, enfatizou Tereza.

Os adultos que quiserem se aventurar com as dinâmicas makers podem participar das atividades noturnas. A duração é de duas horas. Além de desenvolverem funções relacionadas às oficinas existentes no Espaço Maker, também há práticas relacionadas ao desenvolvimento de liderança.

Cinthia Guedes

Cinthia Guedes

cinthia.guedes@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Cinthia Guedes