O que os gestores pensam ao conhecer uma nova edtech?

WhatsAppFacebookShare

O mercado de edtech vem sendo apontado como um dos mais promissores no universo das startups em todo o mundo. Mas em algum momento os projetos têm que sair do papel e ser efetivamente implementados por escolas e faculdades. Para isso, os gestores desses centros educacionais precisam comprar a ideia — tanto no sentido figurativo como no financeiro mesmo.

No Brasil, muitos gestores, diretores e educadores ainda têm resistência em adotar novas tecnologias em seus empreendimentos ou em suas salas de aula. E, ao que tudo indica, em outros países do mundo o cenário não é assim tão diferente.

Em um artigo intitulado “Seis coisas que os diretores pensam quando são apresentados a uma edtech”, publicado no site EdSurge, a educadora Sara Shenkan-Rich, diretora de uma escola na Califórnia, falou das inseguranças e dúvidas que sempre aparecem quando alguém tenta vender uma ideia de uma nova edtech.

. 18 perfis de edtech que você não pode deixar de seguir no Twitter

“Como diretora, quase todos os dias recebo representantes de edtechs. Todos têm uma nova solução ‘disruptiva’ para a minha escola. Na maioria das vezes, ignoramos os e-mails e as chamadas telefônicas, mas de vez em quando algo quebra o ruído e atrai meu interesse. Quando conversamos com as empresas de edtech para entender o que eles têm para oferecer, há algumas questões sobre as quais eu sempre penso enquanto escuto seu pitch.

EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação1. Qual dos meus milhões de problemas isso vai resolver?

Ser um diretor significa, antes de mais nada, ser um solucionador de problemas. Eu tenho que lidar com tudo, desde conseguir professores substitutos quando alguém está doente, lidar com questões de disciplina entre alunos, até ajudar famílias a se conectarem com os serviços sociais quando estão em um momento de crise. Estou em um estado de constante triagem tentando priorizar quais problemas eu vou gastar tempo e dinheiro para enfrentar, então a primeira pergunta que faço quando ouço sobre edtech é: qual dos meus problemas isso vai ajudar a resolver?

EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação2. Meus professores vão achar que usar isso é uma tarefa difícil?

Me convencer de que algo ajudará os nossos alunos é uma coisa. Convencer o resto da minha equipe é inteiramente outra. Os professores trabalham muito e fazem um número inacreditável de coisas todos os dias. Eu gasto a maior parte do tempo tentando apoiá-los para fazerem bem o que eles fazem, então a última coisa que quero é adicionar algo à sua longa lista de tarefas que eles podem sentir como um fardo.

Quando eu ouço um discurso edtech, eu me pergunto: como isso vai ajudar meus professores a fazer o que eles fazem melhor e facilitar sua vida? Estou procurando produtos que serão vistos como um suporte, e não como uma nova longa lista de tarefas ingratas para os professores realizarem.

EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação3. Os benefícios que você está me vendendo são reais?

Muitas vezes eu ouço promessas incríveis sobre o que essa nova tecnologia vai fazer para os meus alunos. Eu já comprei estes feijões mágicos antes e estou experiente o suficiente para saber que qualquer estudo que você fez teve como base muitas crianças e escolas. Como vou saber que minha escola vai ser um dos seus estudos de caso, e não uma daquelas que você espera explorar apenas para conseguir maiores quantidades de dados?

EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação4. Como eu pagaria por isso?

Tenho trabalhado como diretora principal ou assistente por dez anos. Em seis desses anos, eu tive que lidar com cortes no orçamento. A parte mais difícil do meu trabalho é tentar fazer mais com menos todos os anos — e saber que o orçamento do próximo ano provavelmente será pior do que esse.

Muitas empresas de edtech olham os orçamentos escolares, vêem grandes números e pensam que seus produtos atendem apenas uma pequena porcentagem desse montante, certo? Mas a realidade é que a maior parte do meu orçamento está empatada em custos de pessoal e instalações. O orçamento discricionário que tenho disponível para o que você está oferecendo é muito mais limitado e em demanda muito alta. Por que você deveria estar no topo dessa lista?

EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação5. Sério, como eu pagaria por isso?

Supondo que eu realmente queira comprar, essa não é apenas uma questão de saber se eu tenho verba no meu orçamento — é  definir que dólares específicos eu posso usar para isso. Os orçamentos escolares são incrivelmente complicados e há muitas linhas que têm restrições especiais — dólares que eu só posso gastar em coisas específicas ou com aprovações específicas (…)

 

6. Você vai me amar e me deixar?EdTech: 6 dúvidas dos gestores de Educação

Isso já aconteceu mais vezes do que eu posso contar: alguém vem à minha escola, me diz que tem uma nova coisa maravilhosa que vai ajudar meus alunos, e assim que eu digo “sim”, nunca mais vejo essa pessoa. Nas melhores situações, sou encaminhada a uma outra pessoa na equipe, que deveria me orientar na implementação, mas muitas vezes eu recebo a cobrança, recebo meu pacote onboard e, em seguida, nunca mais ouço nada novamente. Até o momento de renovar o contrato, é claro.

Decidir comprar um produto edtech deve ser o início do nosso relacionamento, não o fim. Estou à procura de parceiros que não vão me olhar como uma outra venda para os seus objetivos trimestrais, mas que vão trabalhar comigo na minha equipe enquanto nos lançamos na escola e resolvemos os inevitáveis ​​problemas que surgirão”.

Sara Shenkan-Rich é diretora da Woodrow Wilson Elementary School em Daly City, na Califórinia. Esta publicação do blog foi escrita para o blog BookNook.

. Veja o artigo original no site EdSurge.