Realidade aumentada e IoT são tendências em universidades nos EUA

WhatsAppFacebookShare
Recursos de realidade aumentada criam novas possibilidades para o ensino
Especialistas já discutem estratégias de uso da realidade aumentada no ensino

Realidade aumentada, Internet das Coisas (IoT) e realidade virtual e vão ganhar espaço e modernizar o ambiente universitário. Essa tendência foi apresentada por especialistas no Campus Technology, evento sobre tecnologia e educação superior realizado este mês, nos Estados Unidos.

Em relação aos dispositivos de realidade virtual, há uma forte tendência de ampliação do uso desses recursos na educação. Uma das novidades é a possibilidade de óculos 3D suportarem também a realidade aumentada. Isto vai eliminar, por exemplo, a necessidade do uso de aplicativos de smartphone no uso dessa tecnologia.

Emory Craig acredita que realidade aumentada tem várias possibilidades de uso na educação
Emory Craig destacou uso da realidade virtual e realidade aumentada como tendência da área de EdTech.

Com esse avanço, os dispositivos irão além da imersão do usuário em um ambiente 3D, permitida pela realidade virtual. É o que salienta Emory Craig, diretor de e-learning e tecnologia instrucional no College of New Rochelle, dos Estados Unidos, um das palestrantes da Campus Technology.

Smart Campus: conheça o laboratório mineiro de IoT dentro do Inatel

Ao suportar a realidade aumentada, os óculos possibilitarão que elementos em 3D sejam inseridos em ambientes físicos. Estudantes de Arquitetura, por exemplo, poderão criar projetos de decoração em ambientes reais. Outra possibilidade: alunos da área de Humanas, ao visitarem locais históricos, poderão acessar ambientes com uma riqueza bem maior de detalhes de época.

Outro avanço, o uso de óculos 3D sem fio, tem tudo para tornar mais rica a imersão no ambiente virtual. Com os fios, de acordo com ele, o usuário pode facilmente tropeçar nos cabos. “Isso rompe a ilusão”, diz.

Uso pedagógico da realidade aumentada é desafio

A evolução dos dispositivos de realidade aumentada e realidade virtual traz outro desafio. Como produzir conteúdos que possam ter uso pedagógico eficiente a partir dessas novas tecnologias?

Para especialistas, a criação de conteúdos adaptáveis à realidade virtual é um dos grandes desafios no campo da EdTech. Se, por um lado, inovações surgem a cada dia, de outro, pouco ainda se cria em termos de uso pedagógico.

Os educadores, ao que tudo indica, podem ter uma boa fonte de uso desses recursos nos meios de comunicação. Nos Estados Unidos, jornais tradicionais como o The New York Times e The Economist já produzem conteúdo utilizando realidade virtual.

Segundo Maya Georgieva, diretora de inovação na Digital Bodies, instituição que atua com aprendizagem imersiva, esta é uma tendência que vai ganhar força. Ela diz que isso se encaixa bem com o uso tradicional dos meios de comunicação na educação.

IoT abre espaço para ‘universidades inteligentes’

Também já começam a ser desenvolvidos dispositivos inteligentes a partir da Internet das Coisas (IoT), para resolver problemas no campus. Lisa Litherland, arquiteta comercial do CDW • G, empresa norte-americana produtora de tecnologias para várias áreas, inclusive a de Educação, diz que uma das mais importantes aplicações é na área de segurança.

A especialista apontou o uso de sistemas de identificação por radiofrequência como um dos avanços que podem se materializar. Em sua palestra na Campus Technology, ela citou a possibilidade de se criar um chip em forma de adesivo e que, colado na pele do estudante, permite acesso às instalações universitárias.

As inovações no campo da segurança não param por aí. Em breve, a Internet das Coisas possibilitará a criação de ferramentas de reconhecimento facial e o monitoramento em larga escala de dados de vídeo, que podem direcionar a estratégia de segurança nas instituições de ensino. A ideia é que os sistemas de monitoramento possam escanear imagens e emitir alertas em situações de risco.

Lisa Litherland vê uso das tecnologias relacionadas a IoT como tendência em universidades
Para Lisa Litherland, IoT tornará universidades mais eficientes e seguras para os estudantes

As soluções de IoT também tendem a tornar os edifícios dos campi espaços seguros e inteligentes. Inovações nessa área podem, por exemplo, criar sistemas automatizados que viabilizem estratégias de economia de energia.

Em breve, as instituições poderão adotar softwares capazes de desligar aparelhos e fontes de energia quando não estiverem em uso. Outra aplicação é o uso de sensores conectados em rede que permitirão ajustar a iluminação às características do ambiente de forma automática.

“As faculdades podem caminhar em direção a edifícios inteligentes para possíveis economias de custos, a partir do uso da IoT”, disse Litherland, que também foi conferencista da Campus Technology.

Renato Deccache

Renato Deccache

renato.deccache@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Renato Deccache