Referência em inovação, Escola Sesc do Rio marca presença na Bett

WhatsAppFacebookShare

André Ferreira, gerente pedagógico da Escola Sesc unidade do Rio de Janeiro, fez questão de estar presente na Feira Bett Educar 2017, realizada no São Paulo Expo. E não era para menos. A unidade em que trabalha é referência de ensino médio de qualidade e inovador, não só pelo uso das tecnologias, mas por sua proposta pedagógica e compromisso social. Assista agora ao vídeo com a entrevista de André Ferreira, da Escola Sesc Rio.

A Escola Sesc do Rio, localizada em Jacarepaguá, zona Oeste da cidade, abriga jovens de todos os estados do Brasil, numa ação complexa que envolve as regionais e o departamento nacional da entidade, num esquema de escola-residência. Os alunos não apenas estudam, também moram ali.

“São jovens que não teriam a oportunidade de cursar um ensino médio de referência, numa escola-residência que prepara para a vida”, contou André ao Inoveduc, destacando que a unidade abriga hoje um total de 495 estudantes. “Nossas salas têm, no máximo, 15 alunos. Dá pra perceber que praticamos uma educação artesanal, bem focada nos indivíduos”.

A aposta da unidade é no modelo de ensino híbrido, como explica André, professor formado em Educação Física. “O modelo de sucesso das escolas Sesc é esse. De um lado, o mundo de hoje exige colaboração e cooperação, o trabalho em rede é fundamental. A tecnologia está na veia dos garotos e garotas. Mas, por outro, a diversidade humana, em alguns momentos, exige um cuidado individualizado, com o sujeito singular recebendo uma atenção pedagógica específica para ele”.

André lamenta que a escola tradicional seja um modelo que se arrasta há séculos, mantendo seu formato básico, cada vez menos atrativo para as novas gerações de estudantes. “Vivemos hoje numa sociedade plena de tecnologias, operada, e a escola precisa acompanhar esses avanços, se quiser continuar a conversar com esses alunos. Mas, tudo começa com uma equipe pedagógica engajada. O coração de qualquer escola são os professores”, resumiu, lembrando dos primeiros passos da unidade em que atua no terreno da inovação.

“A implementação do nosso ensino híbrido começou aos poucos. As inovações, todas elas, começaram justamente por uma reflexão, com os professores, sobre quem são esses jovens hoje e sobre o que eles esperam das escolas. E, claro, sobre as dificuldades dos próprios educadores de atuarem neste novo contexto. Nosso ponto de partida é sempre a percepção e a necessidade do professor”.

 

Paulo Chico

Paulo Chico

paulochico@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Paulo Chico