Startup brasileira oferece modernizações às aulas de anatomia

WhatsAppFacebookShare

Você consegue se imaginar chegando em uma aula de anatomia e, em vez de encontrar um cadáver ou bonecos anatômicos, se deparar com uma grande tablet com as imagens do corpo humano em 3D? Com o avanço da tecnologia, inovações como essa são cada vez mais possíveis dentro das salas de aulas.

A Plataforma Multidisciplinar 3D foi desenvolvida pela startup brasileira Csanmek em parceria com educadores doutores em anatomia e educação médica. A ferramenta funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo humano.

Claudio Santana, diretor executivo da Csanmek, esteve em contato com produtos similares importados mas que, além de o preço ser muito alto para os padrões brasileiros, não atendia à demanda dos docentes e instituições no país. “Isso fazia as instituições de ensino se adaptarem ao produto, em vez de o produto de adequar às metodologias”, disse.

Investimento varia entre R$ 100 mil e R$ 360 mil

“Nosso sistema permite a conversão das imagens médicas de tomografia e ressonância em 3D para o aluno realizar dissecações e estudos anatômicos em corpos humanos e de animais”, explicou o diretor.

Todo esse processo de aprendizagem é reconstruído em tempo real e auxiliado pelo Atlas 3D de Anatomia, que também é enviado ao cliente, como informou Santana. “Esses produtos permitem movimentos fisiológicos e movimentação de cada parte do corpo humano isoladamente. O que permite acesso total a cada estrutura do corpo humano.”

O investimento varia entre R$100 mil e R$360 mil, dependendo da necessidade da instituição de ensino. De acordo com Claudio, por serem produzidos no Brasil, as peças de reposição são muito acessíveis. Há um processo de aprimoramento contínuo, sempre melhorando o produto para que atenda aos clientes dentro das suas metodologias.

O diretor executivo da Csanmek frisou que um dos diferenciais da plataforma é a gestão de conteúdo. O que é significativo quando se trata de equipamentos e soluções para a educação. “Sem um conteúdo adequado para as aulas, que vá de encontro à metodologia do ensino aplicada pelos docentes, os equipamentos seriam apenas como lousas digitais e cairiam no desuso.”

Plataforma leva hospitais para dentro da sala de aula

Hoje em dia, os alunos estão cada vez mais antenados ao mundo digital. Por isso, têm muita facilidade para lidar com esses métodos tecnológicos para estudar.

Claudio Santana acrescentou que, junto com a plataforma 3D, vai um software chamado Etouch. Essa ferramenta, que também é produzida no Brasil, permite conexões com hospitais e clínicas. Dessa form, é possível compartilhar casos reais de imagens de ressonâncias magnéticas e tomografias, convertidas em 3D pela plataforma. “Isso cria a possibilidade de realizar necrópsias e discussões clínicas em sala de aula; isto é, levar o hospital para dentro da faculdade.”

É exigida uma autorização legal por parte dos órgãos competentes para o uso de cadáveres nas faculdades de Medicina e demais áreas da Saúde. É preciso, ainda, toda uma infaestrutura para o armazenamento e manutenção dos mesmos. Além da contratação de pessoal especializado na preservação e outros meios que garantam o bem estar dos usuários e dos alunos.

Por isso, Claudio afirmou que está cada vez mais difícil a aquisição de corpos ou peças anatômicas para as instituições. “O governo está incentivando cada vez mais o uso de técnicas e métodos alternativos ao uso de corpos humanos ou animais para ensino e pesquisa. Isso é uma tendência mundial.”

Simulador 3D de anatomia em cursos de Medicina no Brasil

O produto nacional foi inspirado em tecnologias e metodologias europeias e americanas. Conta com mais de 5 mil estruturas anatômicas, incluindo todos os órgãos e sistemas do corpo masculino e feminino.

Entre as instituições que adquiriram a tecnologia está a São Leopoldo Mandic, uma das principais faculdades de Medicina do país. A  Universidade de São Caetano do Sul (USCS), a Faculdade Guanambi, na Bahia, e a Faculdade Claretiano também usam.

O simulador 3D também é utilizado pela TAQ Sistemas Médicos e pela Universidad Salle de Vitoria, no México. Segundo Claudio, apesar de a plataforma ser um equipamento para educação, também é utilizada por médicos e profissionais da saúde. No dia a dia, ajuda a melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas.

Cinthia Guedes

Cinthia Guedes

cinthia.guedes@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Cinthia Guedes