Startup ligada à Unicamp oferece curso de deep learning no Brasil

Startup ligada à Unicamp oferece curso de deep learning no Brasil

WhatsAppFacebookShare

deep-learning-campinas-inoveducUma startup ligada à Unicamp, a NeuralMind, pioneira na oferta de treinamento em deep learning no Brasil, oferece cursos de imersão na área, em São Paulo. A primeira chance acontece neste sábado, dia 7. O curso “Deep Learning na Prática”, com carga horária total de 24 horas e aulas aos sábados, das 9 às 18 horas, terá novas turmas nos próximos dias 21 de outubro e 4 de novembro.

Deep learning (DL) é a tecnologia de aprendizado de máquina que mais cresce em todo o mundo. Gigantes como Google, Microsoft e Facebook apostam todas as suas fichas nessa tecnologia. A previsão é que o mercado atinja a marca de quase US$ 2 bilhões em cinco anos. No Brasil, no entanto, ainda são pouquíssimas as empresas que utilizam DL.

“Esta é uma área que está revolucionando vários setores. Com o deep learning, o computador consegue interpretar uma imagem melhor que o ser humano, consegue fazer reconhecimento de voz e processamento de texto em uma escala antes impensável”, disse Roberto Lotufo, que comanda a NeuralMind.

A startup também oferecerá o curso “Compreendendo o DL”, para iniciantes, com oito horas de duração, e “DL Acelerado”, para nível intermediário. As agendas estão disponíveis no site da empresa.

Deep learning é a tecnologia do futuro

Com o objetivo de acelerar sua adoção no país, Lotufo, professor titular aposentado e ex-diretor da Agência de Inovação da Unicamp, criou a empresa NeuralMind em parceria com Patricia Magalhães de Toledo, engenheira de produção que também dirigiu a Agência de Inovação da Unicamp.

O DL é uma tecnologia disruptiva de aprendizado de máquina com alto desempenho na resolução de problemas complexos e flexibilidade de aplicação de seus algoritmos. Entre as principais aplicações estão o reconhecimento de imagens, voz e texto; a previsão de eventos e desenvolvimento de sistemas de recomendação, por exemplo para tornar a experiência do cliente única; e a detecção de anomalias, por exemplo para detecção de fraudes.

“O deep learning apresenta enormes vantagens na comparação com técnicas clássicas de aprendizagem de máquina. Inclusive, supera o desempenho humano em problemas que envolvam a análise de grandes volumes de dados não estruturados. No Brasil, no entanto, ainda existe muita confusão entre sistemas especialistas, aprendizado de máquina e deep learning, com poucas pessoas conseguindo distinguir as diferenças”, disse Lotufo.

Corpo docente qualificado é um diferencial

Nesse contexto, a NeuralMind reúne especialistas em inteligência artificial dedicados a desenvolver e implementar soluções para diversos tipos de organizações. O que envolve, entre outras atividades, a oferta de cursos. O curso de DL é ministrado por meio de parceria com a Spread Tecnologia e Genova Empreendedorismo. Um diferencial é a qualificação do corpo docente.

Além de Lotufo — que também é pesquisador do Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia (BRAINN Fapesp) —, estão na equipe responsável pelo conteúdo Rubens C. Machado, pesquisador aposentado do Centro de Tecnologia da Informação, Renato Archer, com experiência em redes neurais desde a década de 1980, e Rodrigo Nogueira, atualmente fazendo o doutorado na New York University, nos Estados Unidos.

Os três venceram, em 2015, a competição internacional de detecção de vivacidade em fingerprint LivDet, com solução utilizando deep learning. Além deles, participa Yugo Kuno, doutorando em Engenharia Elétrica na Unicamp.

“Queremos que os participantes sejam capazes de desenvolver aplicações reais. Eu sempre uso esses dois ingredientes, teoria e prática, juntos nos meus cursos. Assim, os conceitos teóricos são assimilados através da programação e da realização de experimentos práticos”, descreveu Lotufo.

Com informações do Unicamp Notícias
Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
debora.thome@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Débora Thomé