Feira em São Paulo mostra tecnologias que impulsionam novas plataformas de ensino

WhatsAppFacebookShare

Tecnomultimidia tecnologias inoveducO uso de tecnologias no cotidiano escolar já não é uma questão de escolha, mas uma necessidade. Em uma geração conectada, contar com novas ferramentas para ensinar e aprender é essencial para quem busca oferecer o melhor conteúdo.

A adoção de telas, computadores e tablets já é realidade em muitas escolas do país. Mas ainda há um grande caminho a ser percorrido.

Em 2013, a Unesco publicou um guia de tecnologias em sala de aula.  A sugestão é que governos tenham políticas que incentivem seu uso. Pode parecer simples, mas essa implementação ainda encontra barreiras.

“Estamos em um processo de transição para adoção de novas tecnologias. A maior barreira é a falta de conhecimento de como aproveitar a Internet das Coisas (IoT) para melhorar a qualidade do ensino. Muitas instituições estão fazendo salas experimentais e este é um bom caminho”, observou Carlos Delmarco, consultor em tecnologia corporativa e educacional.

Telas como ferramenta acadêmica aumentam o interesse dos alunos

Além de ferramentas como computadores e tablets, os recursos de áudio e vídeo são de extrema importância em salas de aula, que garantem a compreensão dos estudantes.

“Podemos destacar também o suporte de sinais de áudio e vídeo compatibilizando os vários formatos e resoluções disponíveis, automação para garantir a utilização simples e amigável da tecnologia por todos os usuários, comunicação unificada, KVM (tecnologia que permite controlar vários dispositivos por meio de um conjunto de teclado, monitor e mouse), realidade virtual e aumentada, projetores a laser, displays 4K, entre outros”, destacou Delmarco.

Outra grande vantagem do uso da tecnologia no ambiente escolar é a quebra de barreiras físicas.

“Além de tornar todo o processo mais eficiente, a utilização de dispositivos conectados elimina a necessidade da presença física em sala de aula, tanto para o aluno como para o professor”, avaliou Cristian Miranda, diretor geral da Business Com.

Uso de tecnologias facilita a compreensão dos estudos

É por meio da tecnologia que a metodologia da “sala de aula invertida” (flipped classroom, em inglês), está ganhando espaço. Nesse sistema, os alunos estudam o conteúdo curricular em casa e vão à escola para tirar dúvidas e fazer exercícios.

Segundo levantamento da Universidade de British Columbia, nos EUA, a implementação da sala de aula invertida em aulas de Física resultou em um aumento de 20% na presença e 40% na participação dos alunos.

Segundo Cristian Miranda, os centros educacionais precisam investir e desenvolver plataformas de TI. O objetivo é aproveitar a popularização da tecnologia para impulsionar o aprendizado.

“O simples fato de poder utilizar uma tela já aumenta a interatividade e o interesse do aluno, mas o crescimento em escala depende da disponibilidade de plataformas específicas”, avaliou o especialista.

De maneira geral, a tecnologia chega à sala de aula para facilitar a vida de alunos e professores. “A capacitação dos educadores e a simplificação do uso das tecnologias é o que fará a diferença no futuro para o segmento educacional”, disse Leandro Cozzi, coordenador de TI.

Algumas das opções para dar suporte ao aprendizado são apresentadas na TecnoMultimídia InfoComm Brasil. A feira da indústria de áudio, vídeo, iluminação e sistemas profissionais integrados se encerra nesta quinta-feira, dia 25 de maio.

A TecnoMultimídia InfoComm Brasil é realizada pela AVI Latinoamérica e InfoComm International. A feira apresenta aos visitantes os avanços tecnológicos em AVI. O evento reúne os principais fabricantes mundiais, bem como distribuidores regionais e nacionais, incluindo também empresas integradoras.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
debora.thome@folhadirigida.com.br

Ver todas as postagens publicadas por Débora Thomé