The Digital Hub, o maior cluster de tecnologia e mídias digitais

WhatsAppFacebookShare

selo-silicon-docks-inoveducTecnologia é requisito básico para fazer parte desse grupo. O Digital Hub é um espaço para empresas da área digital se desenvolverem. Gerenciado por uma agência do governo irlandês, o local foi fundado em 2003. Hoje reúne 95 companhias em seu espaço — 40% delas internacionais —, e mais de 700 pessoas circulando diariamente.

Além de apoiar o crescimento de companhias, o centro é responsável por uma série de projetos, inclusive educacionais. Importantes empresas do segmento de tecnologia já passaram por lá, como a Amazon.

O lugar é composto por diversos prédios que ficam em uma das regiões mais antigas e históricas de Dublin. É lá, inclusive, onde está a lendária fábrica da Guiness.

Um lugar para troca de experiências e conhecimento

digital-hub-silicon-docks-inoveduc
Detalhe do prédio que fica no coração do Silicon Docks (Foto: Larissa Siqueira)

O Digital Hub foi criado com base em três pilares, segundo o CEO do espaço, Fiach Mac Conghail. Um dos objetivos é o cluster de companhias tecnológicas e digitais na região de Dublin 8. O Digital Hub é responsável por apoiar a jornada dessas empresas.

O segundo objetivo é de renovação urbana. Localizados em uma parte antiga da cidade, a reforma de antigos prédios, transformados em novos espaços com escritórios, integram a comunidade local. O terceiro pilar é o trabalho com a comunidade em programas de aprendizado digital.

“Não estamos apenas contratando escritórios para pessoas. Estamos apoiando essas companhias e tentando criar uma comunidade digital em Dublin 8”, disse o executivo.

Mac Conghail ainda explicou que entre as mais de 90 empresas há um mix de diferentes setores e diferentes bases. Cada uma pode aprender com a outra, o que cria a ideia de cluster.

“Não estamos interessados apenas em empresas que apenas desenvolvem aplicativos, mas sim nas ideias, o que chamamos de ideia repetível e escalável. Em outras palavras é ‘podemos ver se essa companhia vai crescer de 2 para 50?’. Nosso trabalho aqui é apoio ao crescimento dessas empresas.”

Ensino de tecnologia é uma das prioridades do Digital Hub

Segundo Fiach, os objetivos de trabalhar com a comunidade local, renovação urbana e o cluster são três coisas únicas.

Nessa linha de ensino, um dos programas desenvolvidos por The Digital Hub é o Future Creators. O espaço trabalha junto ao National College of Art and Design e a H2 Learning, uma das empresas do cluster. Esse programa propicia o ensino, a jovens de 16 e 17 anos, de habilidades como animação, edição e programação, por exemplo.

 

“Mais importante do que isso, nós ensinamos as soft skills (habilidades interpessoais) que são exigidas, como consolidação de equipe, autoestima”, explicou o CEO. O programa acontece todos os anos, desde 2011, por um período de 20 semanas, com encontros semanais.

A parceria no desenvolvimento do Future Creators ampliou e deu origem a outro, chamado Digital Skills Pathways for Youth across Europe. O objetivo também é o de alfabetizar digitalmente jovens pela Europa. Além disso, com o sucesso do Future Creators na Irlanda nasceu, em 2015, o Future Creators Cadets, para crianças entre 12 e 13 anos.

Destaque para o ensino de programação e codificação

O ensino de codificação por si só já é bom, segundo Fiach Mac Conghail. Mas isso pode ser intensificado se ensinado junto a outras habilidades, principalmente desde as escolas.

Mac Conghail disse que já existe uma discussão com o Ministério da Educação no país para que a matéria se torne oficial nos currículos regulares das escolas.

. Semana ‘Hora do Código Brasil’ promove o ensino de programação
. Pernambucoders: clube ‘massa’ de programação nas escolas públicas
. Programação é o novo inglês? Não: programação com inglês é o caminho

Há também um investimento nas áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (sigla STEM em inglês), já que companhias de tecnologia e engenharia que não têm jovens o suficiente nessas áreas, especialmente mulheres, de acordo com Fiach.

“Estamos tentando encorajar que haja igualdade para homens e mulheres e, principalmente, mais acesso para jovens homens e mulheres ao sistema de educação nas áreas STEMs.”

Larissa Siqueira

Larissa Siqueira

[email protected]
Especial da FOLHA DIRIGIDA para o InovEduc
A repórter esteve na Irlanda entre abril e maio de 2016

Ver todas as postagens publicadas por Larissa Siqueira