Youtz quer ampliar sua atuação no Brasil e oferecer novos cursos

BETT-EDUCAR-SELOAs grades curriculares das escolas brasileiras são composta por uma média de 13 matérias obrigatórias. Diante disso, não sobra tempo hábil para as instituições se aprofundarem em outros assuntos como língua inglesa e programação. Tentar suprir essa deficiência, é a proposta da rede de educação complementar Youtz.

Atualmente, a rede possui nove escolas no Brasil. Segundo Valdecir Cavalheiro, sócio proprietário da Youtz, o objetivo é chegar ao número de 25 franquias até o fim de 2018 e a 150 unidades em cinco anos.

Durante a Bett Educar, que acontece até o dia 11 de maio, em São Paulo, a rede apresenta sua nova plataforma, a Youtz Live.

. Bett Educar cresce 20% em número de visitantes

“É uma grande plataforma onde teremos conteúdos organizados e sistematizados e uma gama de mediadores para fazer aplicação desses assuntos. Nosso objetivo é transformar esse processo de aprendizagem em boas experiências para os estudantes.”

Youtz pretende ampliar oferta de cursos nos próximos meses

A Youtz oferece aulas complementares de matemática, português, inglês e programação. Em breve, serão oferecidas também aulas de mandarim, games, educação financeira, espanhol e youtube.

Os alunos podem escolher módulos específicos dentro dos conteúdos que pretendem estudar. As aulas são chamadas de encontros, que normalmente duram 50 minutos. Cada professor trabalha com uma quantidade de 5 a 8 alunos ao mesmo tempo.

Com a nova plataforma, ficará a critério do aluno optar por encontros presenciais ou virtuais, que podem ser feitos ao vivo com tutores de qualquer lugar do mundo. A recomendação é que cada estudante tenha pelo menos quatro encontros.

A metodologia utilizada mescla os pontos fortes de diversas outras. “Nós concebemos a metodologia construtivista, tradicional, freudiana, entre outras e organizamos o que há de bom em cada uma delas para capacitar o professor nessas ‘pegadas’ metodológicas, explicou Valdecir.

. Nave a vela apresenta proposta de cultura maker nas escolas

Todos os encontros são estruturados com o objetivo de colocar o aluno como protagonista do seu processo de aprendizagem.

“Então por exemplo, tem alunos que se identificam mais com uma técnica de associação, outros de experimentação ou treino e repetição. Nós identificamos aquilo que tem mais resposta em aprendizado e colocamos o aluno em contato com um professor que tenha um profile parecido com o dele.”