Os professores e a tecnologia: inovando sem pedir permissão

tela-e-papel-inoveduc
Lars Janér
Escrito por Lars Janér

As instituições de ensino e os professores em geral ainda carregam uma fama que não mais condiz com a realidade observada: a de que são resistentes aos avanços tecnológicos e à todo tipo de inovação em sala de aula.

De certa forma, a fama surgiu porque ao longo das últimas décadas foi grande a quantidade de novas “modas”, “tendências” e “revoluções”, que não se concretizaram da forma como inicialmente se imaginava. Por isso ficaram sem uso inúmeras ferramentas, softwares e produtos adquiridos sem levar a conta a real necessidade de quem vive o dia a dia da sala de aula.

. Medo de inovar: por que professores do século 21 ainda passam por isso?

Porém, o que vem acontecendo com o mercado de edtech, e de tecnologia em geral, é uma ênfase cada vez maior em tornar as ferramentas mais simples e acessíveis e tirar a complexidade da frente do usuário. Ao mesmo tempo, cada vez mais as plataformas de ensino abraçam o conceito de abertura, promovendo a liberdade para customizações e integrações.

Mudança de paradigma

O resultado disso é que, ao invés de aguardar pelas ferramentas adequadas, muitas instituições (com seus times de TI), e os próprios professores, começam a construir seus próprios “produtos”, adequados ao que precisam e à sua realidade.

É o caso de uma escola de São Paulo que criou uma ferramenta em java para que os alunos possam dar notas para seus colegas — e outra, na Florida, que desenvolveu um “checklist” de acessibilidade para seus professores, que o utilizam ao criar cursos online.

. 3 habilidades necessárias para professores na era da IA
. Cieb indica competências necessárias para uso de TICs por professores
. 4 dicas fundamentais para implantar edtech com sucesso na sua escola

Esse tipo de inovação, que nasce dentro da sala de aula é potencializada pelo volume de colaboração crescente, já que grupos de usuários podem se comunicar e trocar ideias e ferramentas online, sem precisar pedir a “permissão” de fornecedores, pagar por novas ferramentas e integrações ou aguardar eternamente pelo desenvolvimento de funcionalidades — que podem levar anos para serem desenvolvidas porque atendem apenas uma pequena parcela do mercado.

Trata-se de uma mudança de paradigma que transfere o poder para os usuários e beneficia a todos os envolvidos em educação.

Com a inovação distribuída dessa forma, as próximas “revoluções” não acontecerão porque algum guru ou empresa determinou como o futuro deve ser — os próprios educadores vão escrever seu futuro, juntos — uma ferramenta de cada vez.

Lars Janér

Lars Janér

Diretor para América Latina da Instructure (NYSE:INST), empresa americana desenvolvedora de software para ensino acadêmico e treinamento corporativo. Sua principal plataforma, Canvas, é utilizada por mais de três mil instituições de ensino no mundo, incluindo Harvard, Stanford, Wharton, Yale e Berkeley . Lançado mais recentemente, o software de treinamento corporativo Bridge foi escolhido por empresas como Tesla, Microsoft e Slack. Antes de assumir a posição atual, foi responsável pela operação no Brasil da Kaltura, plataforma de vídeo online líder nos mercados de educação e corporativo. Cursou graduação e mestrado em Administração de Empresas na PUC-Rio