Uninter recebe prêmio pelo uso eficaz de metodologias ativas

Débora Thomé
Escrito por Débora Thomé

Sala de aula invertida, aprendizado por solução de problemas, ensino híbrido. Essas foram algumas das práticas em metodologias ativas premiadas durante o 29º Encontro Nacional de Cursos de Graduação em Administração (Enangrad).

O evento, realizado em São Paulo, reuniu representantes de mais de 700 instituições de todo o Brasil. Em disputa, o 1° Prêmio Angrad.

. Especialista defende o uso das metodologias ativas em sala de aula
. Jonathan Bergmann explica sala de aula invertida

A premiação visa a reconhecer iniciativas inovadoras comprometidas com a melhoria da educação superior em Administração. Foram considerados dois critérios de avaliação na escolha dos vencedores:

  1. Mudança substantiva em relação às práticas anteriores
  2. Inovação da proposta quanto à concepção da iniciativa, ao processo empreendido e os resultados alcançados

Apenas 23 instituições foram premiadas. Entre elas, o curso de Administração do Centro Universitário Internacional Uninter.

Metodologias ativas: professores ensinam e alunos aprendem?

Pioneira no uso de metodologias ativas, a Uninter oferece aos estudantes novas formas de se relacionar com o conteúdo oferecido em sala de aula. No entanto, a mudança não foi simples. Houve resistência não só por parte de alunos. Surgiu também entre professores.

. Metodologias ativas de ensino privilegiam o protagonismo dos alunos

Segundo Vanessa Kotovicz, coordenadora do curso de Administração da Uninter e representante da instituição no evento, foram quatro anos de trabalho para garantir a implementação da metodologia.

É um novo paradigma da educação e mexe com as estruturas do ensino. No entanto, acreditamos que esse modelo prepara melhor para o mercado de trabalho e estamos colhendo os resultados”, disse.

A ferramenta de metodologia ativa utilizada pelo curso da Uninter que resultou na obtenção do prêmio é o de sala de aula invertida. Nela, as bases da pirâmide hierárquica do conhecimento se invertem.

Passam a ser priorizadas atividades consideradas de ordem superior, como:

  • criar
  • analisar
  • avaliar
  • aplicar

“Temos a missão de colocar o aluno como protagonista do processo. Estudantes ensinam e professores aprendem e vice versa, passa-se de uma relação de imposição para uma relação de troca e intercâmbio, onde o professor passa a ser o mediador”, explicou a coordenadora.

Débora Thomé

Débora Thomé

Editora-chefe
[email protected]